António Joaquim de Souza

From eViterbo
Revision as of 19:43, 18 March 2024 by JAlmeida (talk | contribs) (→‎Citar este artigo)
(diff) ← Older revision | Latest revision (diff) | Newer revision → (diff)
Jump to navigation Jump to search


António Joaquim de Souza
Nome completo António Joaquim de Souza
Outras Grafias valor desconhecido
Pai José Pedro de Souza
Mãe valor desconhecido
Cônjuge valor desconhecido
Filho(s) valor desconhecido
Irmão(s) valor desconhecido
Nascimento 15 fevereiro 1804
Lisboa, Lisboa, Portugal
Morte 9 julho 1868
Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Brasil
Sexo Masculino
Religião Cristã
Residência
Residência Lisboa, Lisboa, Portugal
Data Início: 1804
Fim: 1815

Residência Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Brasil
Data Início: 1815
Fim: 1868
Formação
Formação Engenharia Militar
Data Início: 1815
Fim: 1823
Local de Formação Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Brasil

Formação Engenharia Militar
Data Início: 1823
Fim: 1827
Local de Formação Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Brasil
Postos
Data Início: 1815
Fim: 1816
Arma Marinha

Posto 2º Tenente
Data Início: 1818
Fim: 1814
Arma Marinha

Posto Tenente
Data Início: 1824
Fim: 1827
Arma Marinha

Posto Capitão-tenente
Data Início: 1827
Fim: 1837
Arma Marinha

Data Início: 1837
Fim: 1839
Arma Marinha

Posto Tenente-coronel
Data Início: 1839
Fim: 1855
Arma Engenharia
Cargos
Cargo Professor
Data Início: 1832

Cargo Director
Data Início: 1851
Fim: 1855

Cargo valor desconhecido
Data Início: 1851
Fim: 1859

Cargo Director
Data Início: 1855
Fim: 1858

Cargo Director
Data Início: 1858

Data Início: 1859

Cargo Director
Data Início: 1859
Actividade
Actividade Projeto de Infraestrutura
Data Fim: 1852
Local de Actividade Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Brasil


Biografia

Dados biográficos

General António Joaquim de Souza nasceu a 15 de Fevereiro de 1804, na cidade de Lisboa, e faleceu no Rio de Janeiro a 9 de Julho de 1868. Filho de José Pedro de Souza[1].

Carreira

Praça como aspirante a guarda-marinha em 16 de Março de 1815, passou a cursar a Academia de Marinha do Rio de Janeiro, sendo promovido a Guarda-Marinha a 23 de Maio de 1816. Segundo-Tenente a 13 de Maio de 1818. Em 1823 teve licença para frequentar a Academia Real Militar do Rio de Janeiro, sendo em 1824 promovido a Primeiro-Tenente da Armada, depois de ter jurado a Constituição do Império e assinado a respectiva ata. Completou o curso da Academia Real Militar do Rio de Janeiro em 1827, sendo promovido a Capitão-Tenente em 12 de Outubro do mesmo ano. Em 16 de Março de 1832 foi nomeado lente catedrático do Curso de Pontes e Calçadas da Academia Real Militar do Rio de Janeiro e a 7 de Setembro de 1837 passou a Capitão-de-Fragata. Em 1839, no dia 26 de Agosto, foi transferido para o Imperial Corpo de Engenheiros, com o posto de Tenente-Coronel. Recebeu o grau de doutor em Matemática pela Academia Real Militar do Rio de Janeiro, em Dezembro de 1846.

Em 1851 foi Diretor do Hospital Militar da Corte e depois Inspetor das obras públicas desta capital.

Em 1852 esteve na comissão de estudo dos projetos para a construção do cais da Alfândega do Rio.

Em 1855 foi graduado em Brigadeiro e logo depois nomeado Diretor da Escola Militar. Em 1858 passou para Diretor da Escola Central, antes Escola Militar da Corte. Em 14 de Maio de 1859, foi presidente da Comissão encarregada de fazer o exame das propriedades existentes no Morro do Castelo, orçamento dos seus valores e ajuste com os proprietários para as respectivas indenizações.

Por Decreto de 13 de Julho de 1859 assumiu o Comando do Corpo de Engenheiros e a Diretoria do Arquivo Militar.

Promovido a Marechal de Campo em 2 de Março de 1864, e, por Decreto de 8 de Julho de 1866, julgado incapaz por sofrer de moléstia incurável, foi reformado no posto de Tenente-General[1].

Outras informações

Obras

Como Inspetor das obras públicas da cidade do Rio de Janeiro, em 1852 esteve na comissão de estudo dos projetos para a construção do cais da Alfândega do Rio.

Em 14 de Maio de 1859, foi Presidente da Comissão encarregada de fazer o exame das propriedades existentes no Morro do Castelo, orçamento dos seus valores e ajuste com os proprietários para as respectivas indenizações[1].

Notas

  1. 1,0 1,1 1,2 Tavares, A Engenharia Militar Portuguesa na Construção do Brasil, 109

Fontes

Bibliografia

Tavares, Gen. Aurelio de Lyra. A Engenharia Militar Portuguesa na Construção do Brasil. Rio de Janeiro: Estado-Maior do Exército, 1965.

Ligações Externas

Autor(es) do artigo

Beatriz Bueno

Financiamento

Fundos nacionais através da FCT – Fundação para a Ciência e a Tecnologia, I.P., no âmbito do projeto TechNetEMPIRE | Redes técnico-científicas na formação do ambiente construído no Império português (1647-1871) PTDC/ART-DAQ/31959/2017

DOI

Citar este artigo