Albarda

From eViterbo
Jump to navigation Jump to search

Definição

Vestimenta de fabrico pouco cuidado e confecionada com tecidos grosseiros.

Referências documentais

"Frei Jerónimo Romão, no seu livro das Repúblicas do mundo, 2ª parte, p. 262, diz que se persuade que em Portugal, antes das guerras de África, poucos andavam a cavalo em sela e com freio, porque no Real Mosteiro de Alcobaça achou que por particular privilégio del-Rei Dom Pedro I de Portugal, vieram a andar os religiosos em mulas com sela e freios, porque até então toda a sua cavalaria era andar em albardas"[1]

Outras informações

Palavra de origem árabe (Berdea) que significa cobrir os ombros.

Albarda é também a cobertura cheia de palha que se põe nas bestas de carga para que com ela se não maltratem[1].

Albardeiro é a pessoa que faz albardas.

Notas

  1. 1,0 1,1 Bluteau, Vocabulário Português e Latino, letra A: 211.

Fontes

Bibliografia

Bluteau, Rafael. Vocabulário Português e Latino… Vol. 1. Coimbra: Colégio das Artes da Companhia de Jesus, 1712-1728.

Moraes, António de. Novo Dicionário Compacto de Língua Portuguesa. Vol. 1. Mem Martins: Horizonte, 1980.

Ligações Externas

Glossário Portas Adentro, ICS-uMinho

Autor(es) do artigo

  • André Filipe Neto e Maria Teresa Oliveira (bolseiros de iniciação à investigação)

Projeto eViterbo, CHAM - Centro de Humanidades NOVA FCSH, 2017-18;

  • Andreia Fontenete Louro (bolseira de iniciação à investigação)

Projeto DRESS, 2019;

  • Inês Amaral Canhão (bolseira de iniciação à investigação)

Projeto Verão com Ciência, 2022;

  • Carla Alferes Pinto

CHAM - Centro de Humanidades, FCSH, Universidade Nova de Lisboa

https://orcid.org/0000-0001-9055-9630

Financiamento

VESTE _ Vestir a corte: traje, género e identidade(s), Fundação para a Ciência e a Tecnologia, I.P., no âmbito da Norma Transitória - DL 57/2016/CP1453/CT0069.

DRESS _ Desenhar a moda das fontes quinhentistas, Fundação Calouste Gulbenkian, Projetos de Investigação em Língua e Cultura Portuguesa 2018, Ref.: 227751.

Verão com Ciência FCT, 2022.

DOI

Citar este artigo