Banco

From eViterbo
Jump to navigation Jump to search

Assento comprido de madeira no qual muitos se podem sentar ao mesmo tempo. Deriva-se Banco do Alemão Banc que significa o mesmo ou de Bancus que se acha com o dito significado em escritores da baixa latinidade.

No cap. 3, do livro 2, De vitiis Sermonis, diz Vossio, que Bancus poderia derivar-se de Abacus por Aph&eresim & Thensaurus que antigamente se diziam em lugar de Toties & Thesaurus. Segue Canino esta opinião de Vossio no Tratado dos dialectos. Banco Scamnum, i. Neut. Ovid. Os que lhe chamm Abacus não se fiem muito do que sobre esta palavra diz Roberto Estevão no seu Thesouro da Lingoa Latina.

Banco, que não tem encosto. Postici repaguli expers sedile. Posticae morae exsors scamnion.

Banco de enconsto. Scamnion ligneis compagibus, queis â terfo nitatur sedentes, instructum. Melhor é usar desta circumlocução do que dizer com alguns Scamnum sossuarium ou scamnum pone marginatum ou dossuariae crepidinis scamnum. Porque, ainda que Varro chame as bestas de carga, Iumenta dossuaria não se segue que se possa unir este adjectivo nem com 'scamnum nem com Crepido. Nem me parece que Crepido se possa dizer do enconsto de um banco nem que Marginatum que significa o que tem margem se possa dizer de Scamnum.

Bancos da galé em que se sentam os forcados para remar. Transtra, orum. Neut. Plur. Caesar. Não será fácil achar Transtrum no singular.

Banco de judicatura. O em que se sentam os Ministros de Justiça. Subsellium, ij. Neut. Cic.

Bancos de areia no mar.

Bancos de pinchar. Termo de armaria. É a divisa dos infantes de Portugal porque antigamente não se sentavam em cadeiras senão o rei e o príncipe e os infantes sentavam em Bancos nas cortes e nos actos públicos e o tomaram por divisa, em sinal da sua precedência aos mais senhores e nobreza do reino. A razão porque se chamou Banco de Pinchar é (como advertiu Francisco Soares Toscano na Dedicatório dos seus Paralellos) que Pinchar na língua antiga quer dizer lançar fora e apartar com força, donde se forma Pincho que é uma expulsão violenta, que os Infantes, por direito (quanto mais primogénitos herdeiros) como filhos de reis fazem nos assentos e precedências aos titulares e principais enhores. Segundo alguns autores o Banco de Pinchar não só era divisa de infante mas também de príncipe, o que se prova pelo que trouxe el-rei D. João III enquanto príncipe; e entre o Banco do Príncipe e o dos Infantes havia diferença porque o Príncipe trazia o Banco simplesmente sem mais divisa e os infantes traziam encostados nos pés dele uns quadros das armas de onde procediam. E como, ordinariamente, eram dois os quadros, com o que se encobriam os dois pés, ficava descoberto o pé do meio de três que tinha o Banco, do que tomaram motivo alguns que o Banco de Infante não tinha mais de um pé; porque estes Principes quanto mais eram chegados ao sangue real tanto mais ou menos pés punham na divisa de seus Bancos; porém, todos os infantes comummente traziam o Banco com três pés. Também nos Bancos havia outra diferença e é que aos príncipes e infantes se dava Banco de Pinchar de ouro como o que D. Manuel deu ao príncipe D. João, filho de sua segunda mulher, e as princesas e infantas dava Banco de Pinchar de Prata.

Por falta de palavra própria chamara eu a este banco de armaria. Scamnum scutarium ou Tesserarium. Estes dois adjectivos foram inventados por uns autores modernos que escreveram desta matéria em latim.

Chamam também ao Banco de Pinchar, Banco dos Infantes.

Banco. Lugar em que se deposita o seu dinheiro para render (como quando se diz) "tenho tanto nos bancos de Itália". Chama-se Banco porque antigamente os banqueiros estavam assentados em bancos nas praças dando e recebendo dinheiro. Argentaria taberna & Fem. Tit. Liv. Forum argentarium, ij. Neut. ou Argentaria & Fem. Plaut.

Banco. Termo de marceneiro. É aquele que tem uma bigorna e um veio em que se torneia e chama-se banco de tonear.

Banco de ensamblage. É uma banco liso sobre o qual se lavram as madeiras que se hão de juntar. Catherius, rii. Masc. Vid. Calepin. Verbo. Cãntherius[1].

Notas

  1. Bluteau, Vocabulario Portuguez e latino (Tomo II: B-C), 28-29.

Bibliografia e Fontes

  • Bluteau, Rafael. Vocabulario portuguez e latino, aulico, anatomico, architectonico, bellico, botanico, brasilico, comico, critico, chimico, dogmatico, dialectico, dendrologico, ecclesiastico, etymologico, economico, florifero, forense, fructifero... autorizado com exemplos dos melhores escritores portugueses, e latinos... Tomo II: B-C. Coimbra: Collegio das Artes da Companhia de Jesu, 1712.