Francisco António de Sousa

From eViterbo
Jump to navigation Jump to search


Francisco António de Sousa
Nome completo Francisco António de Sousa
Outras Grafias valor desconhecido
Pai Manuel Caetano de Sousa
Mãe valor desconhecido
Cônjuge valor desconhecido
Filho(s) valor desconhecido
Irmão(s) Caetano Tomás de Sousa
Nascimento valor desconhecido
Morte valor desconhecido
Sexo Masculino
Religião valor desconhecido


Biografia

Dados biográficos

Francisco António de Sousa era filho de Manuel Caetano de Sousa.

Carreira

Ajudante da Real Casa do Risco e Obras Públicas. Foi arquitecto das reais casas do Infantado e Bragança, da Igreja Patriarcal e da Basílica de Santa Maria Maior. Fez a ornamentação fúnebre do monumento das exéquias de D. Maria I, celebradas na Basílica do Coração de Jesus, feitas a 22 e 23 de setembro de 1816.

Tornou-se arquitecto das três ordens militares por falecimento do seu pai, antigo detentor do cargo, com um ordenado de 80000 réis por ano, em 1804. Expôs na Academia de Belas Artes em 1852[1].

Outras informações

Foi um dos implicados na conspiração de Gomes Freire em 1817.

Foi feito cavaleiro da Ordem de Cristo.

Obras

1810 - Projecto de um arco triunfal para iluminação feito para receber os reis de Portugal no seu regresso do Rio de Janeiro.

Notas

  1. Viterbo, Diccionario Histórico e Documental dos Architectos, Engenheiros e Construtores Portugueses ou a serviço de Portugal, Vol III, 71-72.

Fontes

Bibliografia

Ferrão, Leonor. "Manuel Caetano de Sousa" In Dicionário da Arte Barroca em Portugal, dirigido por José Fernandes Pereira e Paulo Pereira. Lisboa: Editorial Presença, 1989. 469.

Viterbo, Francisco de Sousa. Diccionario Histórico e Documental dos Architectos, Engenheiros e Construtores Portugueses ou a serviço de Portugal. Vol III. Lisboa: Tipografia da Academia Real das Ciências, 1922.

Ligações Externas

Autor(es) do artigo

Financiamento

Fundos nacionais através da FCT – Fundação para a Ciência e a Tecnologia, I.P., no âmbito do projeto TechNetEMPIRE | Redes técnico-científicas na formação do ambiente construído no Império português (1647-1871) PTDC/ART-DAQ/31959/2017

DOI

Citar este artigo