Francisco Mendes Esculca

From eViterbo
Jump to navigation Jump to search


Francisco Mendes Esculca
Nome completo Francisco Mendes Esculca
Outras Grafias valor desconhecido
Pai Francisco Rodrigues Esculca
Mãe Maria José Mendes
Cônjuge valor desconhecido
Filho(s) valor desconhecido
Irmão(s) valor desconhecido
Nascimento 21 abril 1866
Oliveira do Hospital, Portugal
Morte 7 novembro 1937
Oliveira do Hospital, Portugal
Sexo Masculino
Religião valor desconhecido
Residência
Residência Oliveira do Hospital, Portugal
Data Início: 21 de abril de 1866
Fim: 07 de novembro de 1937

Residência Lisboa, Portugal

Residência Angola
Data Início: março de 1899
Fim: janeiro de 1906
Cargos
Cargo Apontador
Data Início: 1885
Fim: 1889

Cargo Condutor auxiliar
Data Início: 1889
Fim: 1892

Cargo Condutor de 3ª classe
Data Início: 1892
Fim: 1899

Cargo Condutor de 2ª classe
Data Início: 1899
Fim: 1902

Cargo Condutor de 1ª classe
Data Início: 1902
Fim: 1906

Cargo Condutor de 3ª classe
Data Início: fevereiro de 1909
Actividade
Actividade Fiscalização
Data Início: 1885
Fim: 1889
Local de Actividade Portalegre, Portugal


Biografia

Dados biográficos

Francisco Mendes Esculca nasceu a 21 de Abril de 1866 no lugar de Vendas de Galizes, freguesia de Nogueira do Cravo, concelho de Oliveira do Hospital, distrito de Coimbra. Era filho de Francisco Rodrigues Esculca (ou Culcas), natural de Bobadela, e de Maria José Mendes, natural de Vendas de Galizes, da referida freguesia onde também casaram e eram moradores. Era neto paterno de Manuel Rodrigues Culcas e de Maria Caetana, da Bobadela, e materno de António Mendes e de Maria [da Luz], de Vendas de Galizes[1]. Até à data de 1903, encontrava-se solteiro e sem filhos[2]. Encontrava-se registado com o Bilhete de Identidade nº 59.316, emitido em Lisboa[3]. Faleceu a 7 de Novembro de 1937 no seu lugar de nascença[4][1].

Carreira

Francisco Mendes Esculca iniciou a sua carreira como apontador e aparelhador, dirigindo e fiscalizando todas as obras no município de Ponte de Soure, distrito de Portalegre, tendo desempenhado esses cargos entre 1885 e 1889[5]. De Novembro a Dezembro de 1889 passou a trabalhar como condutor auxiliar nas Obras Públicas em Bragança. Tornou-se condutor de 3ª classe em 1892 e de 2ª classe em 1899. Em Dezembro de 1892 foi nomeado condutor auxiliar[6]. De 1898 a 1899, chefiou a 4ª secção de construção das Obras Públicas de Viana do Castelo[2].

Foi licenciado em 1 de Janeiro de 1892. Por despacho de 22 de Abril de 1895 foi colocado na situação de disponibilidade. Por portaria de 11 de Julho de 1895 - publicada em Diário do Governo nº 154 do mesmo mês - ficou adido ao quadro dos condutores de 3ª classe. Por despacho de 14 de Maio de 1898, passou à actividade e foi colocado na Direcção das Obras Públicas de Viseu[7], onde prestou serviço de 25 de Junho a 18 de Abril de 1899[8].

Em Maio de 1898, pediu ao Ministério da Marinha e das Obras Públicas para ser enviado para a África Ocidental. O seu pedido foi aceite em Março de 1899, tendo recebido uma licença para desempenhar o cargo de condutor de 2ª classe em Angola (despacho de 7 de Abril de 1899, Diário do Governo nº 79 do mesmo mês). Por decreto de 7 de Novembro de 1901 (Diário do Governo nº 253 de 9 do mesmo mês) foi colocado no quadro com a categoria de condutor de 3ª classe[7].

Em Agosto de 1902, a Direcção dos Caminhos-de-Ferro Ultramarinos nomeou-o para o serviço de fiscalização dos Caminhos-de-Ferro de Ambaca, ocupando para efeito o cargo de condutor de 1ª classe provisório, devido à falta dos mesmos naquela província[2][9]. Manteve-se nesse cargo pelo menos até Janeiro de 1906, data em que recebeu uma licença de 60 dias[10].

Ainda nesse ano, regressou ao reino após ter sido exonerado, a seu pedido, do lugar de condutor de 1ª classe da Direcção de Caminhos-de-Ferro de Luanda[11][12], onde teve responsabilidade na chefia da via e nas obras no caminho-de-ferro de Luanda[7]. Manteve a sua carreira como condutor de 3ª classe em serviço destacado no Ministério da Marinha e Ultramar[13][7]. Em Janeiro de 1909, O Roteiro e o Diário Ilustrado anunciaram a sua passagem à disponibilidade[14][15]. No mês seguinte foi colocado na Direcção das Obras Públicas de Vila Real[16][7].

Ao longo da sua carreira foi a diversas Juntas Médicas, a saber: 7 de Junho de 1909, 16 de Novembro de 1910, 16 de Maio de 1911, 7 de Outubro de 1911, 13 de Dezembro de 1911[7]. Foi também acumulando consecutivas licenças ilimitadas - publicadas em diversos Diários do Governo. Em 1913, encontrava-se inativo por doença[17].

Não obstante, no ano seguinte retomou a actividade, encontrando-se referência à sua colocação na Direcção das Obras Públicas de Coimbra, por despacho de 12 de Janeiro de 1914 (Diário do Governo de 28 de Janeiro de 1914). Em 1916, por decreto de 29 de Abril (Diário do Governo de 18 de Maio de 1916), foi promovido a condutor de 2ª classe. Achou colocação no quadro com a categoria de engenheiro auxiliar de 3ª classe, por decreto de 25 de Outubro de 1920 (Diário do Governo 247 de 6 de Novembro de 1920), sendo transferido, com o mesmo cargo, para a Administração Geral das Estradas e Turismo por portaria de 23 de Março de 1921 (Diário do Governo 72 de 30 de Março de 1921). Mais tarde, foi promovido a engenheiro auxiliar de 2ª classe por Decreto de 28 de Outubro de 1924 (Diário do Governo 281, 2ª série, de 29 de Novembro de 1924); e de 1ª classe por decreto de 21 de Setembro de 1932 (Diário do Governo 252, 2ª série, 27 de Outubro de 1932[7].

Outras informações

Antes de Francisco Mendes Esculca, António Heitor desempenhava o cargo de condutor de 1ª classe na fiscalização dos Caminhos de Ferro de Ambaca. Em 1903, este último foi transferido para a repartição dos Caminhos de Ferro Ultramarinos[2].

Foi elogiado pelo zelo e competência no desempenho das suas funções (ofício 677 de 23 de Julho de 1928 da extinta Direcção Geral do Ultramar). "Francisco Mendes Esculca - Ministério do Comércio e das Comunicações. Notas biográficas. 13 de Março de 1931)".

Notas

  1. 1,0 1,1 Arquivo da Universidade de Coimbra. Oliveira do Hospital. Paróquia de Nogueira do Cravo. Baptismos, 1860-1869, fl. 9-9v., nº 26.
  2. 2,0 2,1 2,2 2,3 Arquivo Histórico Ultramarino. 771/2. 1D. MU. Cx. 1879-1929. Processos Individuais. ANG. "Francisco Mendes Esculca - Processo individual".
  3. Acervo Infraestruturas, Transportes e Comunicações. Processos Individuais de Funcionários. PI-Cx. 56, proc. 36. "Francisco Mendes Esculca - Ministério do Comércio e Comunicações, Coimbra".
  4. Conservatória do Registo Civil de Oliveira do Hospital. Averbamento nº 1 ao assento de baptismo. Registo de óbito nº 415 de 18 de Novembro de 1937.
  5. Acervo Infraestruturas, Transportes e Comunicações. Processos Individuais de Funcionários. PI-Cx. 56, proc. 36. "Francisco Mendes Esculca - Ofício de 19 de Março de 1889".
  6. Despacho de 26 de Fevereiro de 1894, Diário do Governo, no. 237, 18 de Outubro de 1894, 2783.
  7. 7,0 7,1 7,2 7,3 7,4 7,5 7,6 Acervo Infraestruturas, Transportes e Comunicações. Processos Individuais de Funcionários. PI-Cx. 56, proc. 36. "Francisco Mendes Esculca - Lista de actividade profissional".
  8. Acervo Infraestruturas, Transportes e Comunicações. Processos Individuais de Funcionários. PI-Cx. 56, proc. 36. "Francisco Mendes Esculca - Certidão da Secretaria da Direcção de Estradas do Distrito de Viseu, em 14 de Agosto de 1934".
  9. Portaria de 11 de Setembro de 1903, Diário do Governo, no. 206, 16 de Setembro de 1903, 3218.
  10. "Na Arcada", [1].
  11. Arquivo Histórico Ultramarino. 771/2. 1D. MU. Cx. 1879-1929. Processos Individuais. ANG. "Francisco Mendes Esculca - Guia da Direção dos Caminhos de Ferro Ultramarinos, de 23 de Março de 1906".
  12. Portaria de 20 de Março de 1906, Diário do Governo, no. 63, 21 de Março de 1906, 1023.
  13. Despacho de 24 de Março de 1906, Diário do Governo, no. 69, 28 de Março de 1906, 1092.
  14. "Despachos. Obras Públicas".
  15. "Obras Publicas", 3.
  16. Despacho de 11 de Fevereiro de 1909, Diário do Governo, no. 36, 16 de Fevereiro de 1909, 544.
  17. "Relação do pessoal técnico do corpo de engenharia civil e seus auxiliares, referida a 1 de Janeiro de 1913", Diário do Governo, no. 37, 15 de Fevereiro de 1913, 593.

Fontes

Arquivo da Universidade de Coimbra. Oliveira do Hospital. Paróquia de Nogueira do Cravo. Baptismos, 1860-1869, fl. 9-9v., nº 26.

Arquivo Histórico do Ministério das Obras Públicas, Processos Individuais, cx. 56, "Francisco Mendes Esculca - Certidão da Secretaria da Direcção de Estradas do Distrito de Viseu, em 14 de Agosto de 1934".

Acervo Infraestruturas, Transportes e Comunicações. Processos Individuais de Funcionários. PI-Cx. 56, proc. 36. "Francisco Mendes Esculca - Lista de actividade profissional".

Acervo Infraestruturas, Transportes e Comunicações. Processos Individuais de Funcionários. PI-Cx. 56, proc. 36. "Francisco Mendes Esculca - Ministério do Comércio e Comunicações, Coimbra".

Acervo Infraestruturas, Transportes e Comunicações. Processos Individuais de Funcionários. PI-Cx. 56, proc. 36. "Francisco Mendes Esculca - Ofício de 19 de Março de 1889".

Arquivo Histórico Ultramarino. 771/2. 1D. MU. Cx. 1879-1929. Processos Individuais. ANG. "Francisco Mendes Esculca - Guia da Direção dos Caminhos de Ferro Ultramarinos, de 23 de Março de 1906".

Arquivo Histórico Ultramarino. 771/2. 1D. MU. Cx. 1879-1929. Processos Individuais. ANG. "Francisco Mendes Esculca - Processo individual".

Conservatória do Registo Civil de Oliveira do Hospital. Averbamento nº 1 ao assento de baptismo. Registo de óbito nº 415 de 18 de Novembro de 1937.

Despacho de 11 de Fevereiro de 1909, Diário do Governo, no. 36, 16 de Fevereiro de 1909, 544.

Despacho de 24 de Março de 1906, Diário do Governo, no. 69, 28 de Março de 1906, 1092.

Despacho de 26 de Fevereiro de 1894, Diário do Governo, no. 237, 18 de Outubro de 1894, 2783.

"Despachos. Obras Públicas". O Roteiro, no. 1 (1 Fevereiro 1909).

"Na Arcada". A Vanguarda, no. 3307 (24 Janeiro 1906): [1].

"Obras Publicas". Diário Ilustrado, no. 12759, (26 Janeiro 1909): 3.

Portaria de 11 de Setembro de 1903, Diário do Governo, no. 206, 16 de Setembro de 1903, 3218.

Portaria de 20 de Março de 1906, Diário do Governo, no. 63, 21 de Março de 1906, 1023.

"Relação do pessoal técnico do corpo de engenharia civil e seus auxiliares, referida a 1 de Janeiro de 1913", Diário do Governo, no. 37, 15 de Fevereiro de 1913, 593.

Autor(es) do artigo

Mariana Nicolau

https://orcid.org/0000-0002-1454-1794 Sandra Osório da Silva

Sandra Osório da Silva

Departamento de História, FCSH, Universidade Nova de Lisboa

https://orcid.org/0000-0001-7529-5008

Financiamento

Fundos nacionais através da FCT – Fundação para a Ciência e a Tecnologia, I.P., no âmbito do projeto TechNetEMPIRE | Redes técnico-científicas na formação do ambiente construído no Império português (1647-1871) PTDC/ART-DAQ/31959/2017

DOI

https://doi.org/10.34619/gfzg-inhw

Citar este artigo

Nicolau, Mariana e Sandra Osório da Silva. "Francisco Mendes Esculca", in eViterbo. Lisboa: CHAM - Centro de Humanidades, FCSH, Universidade Nova de Lisboa, 2022. (última modificação: 11/07/2024). Consultado a 23 de julho de 2024, em https://eviterbo.fcsh.unl.pt/wiki/Francisco_Mendes_Esculca. DOI: https://doi.org/10.34619/gfzg-inhw