Jacques Funck

From eViterbo
Jump to navigation Jump to search


Jacques Funck
Nome completo Jacques Funck
Outras Grafias EQUAL
Nascimento 1715
[[Estocolmo, Estocolmo, Suécia]]
Morte 1788

Posto Tenente-coronel com exercício de engenheiro
Data Fim: 22 de junho de 1767
Arma Infantaria

Posto Brigadeiro com exercício de engenheiro
Data Início: 22 de junho de 1767
Arma Infantaria
Cargos
Cargo Brigadeiro com exercício de engenheiro
Data Início: 22 de junho de 1767
Local Cargo [[Rio de Janeiro, Brasil]]

Cargo Inspector geral dos corpos de artilharia
Data Início: 22 de junho de 1767
Local Cargo [[Rio de Janeiro, Brasil]]
Actividade
Actividade Militante do exército sueco
Data Início: 1742

Actividade Militante do exército francês
Data Início: 1745
Local de Actividade [[Flandres]]

Actividade Militante do exército inglês
Local de Actividade [[Bombaim, Maharashtra, Índia]]


Biografia

Dados biográficos

Carreira

Em 1742 trabalhava como engenheiro na Suécia.

Em 1745 participava do exército francês na Flandres com o posto de tenente de engenheiros e capitão de infantaria, assistindo como engenheiro no cerco de Maastricht, em 1748.

Alista-se no exército da Companhia das Índias Orientais, trabalhando na fortificação de Bombaim.

Em 1762 participa no cerco de Havana sob direcção do conde Albermale.

Recebe várias condecorações.

Contratado pelo embaixador português, Martinho de Mello e Castro, em Londres em 1764, para servir no exército português.

"Fala pouco francez, pouco alemão, e pouco inglez, e disto me prevenio Lord Albermale, segurando-me que só pelas obras, e não pelas palavras, se poderia conhecer a sua capacidade"

Jacques Funck pede para ser acompanhado por Elias Schierling. Seguem para Portugal sem promessa de cargo ou posto mas com viagem paga para se apresentarem ao rei. Schierling e Jacques Funck frequentam ambos a Academia de Estocolmo.

Em 1767 Jacques Funck é nomeado para ir servir na capitania do Rio de Janeiro, com posto de brigadeiro de infantaria com exercício de engenheiro[1][2].

Outras informações

Obras

No Arquivo Histórico do Exército, no Rio de Janeiro, constao seguinte mapa de sua autoria:

Planta particular para servir a Relação junta sobre a viaje entre o rio Camacuan e o Rio Taquary desde a Povoação de Rio Pardo athe a Villa do Porto de Alegre as distancias aqui de huma e outras são feitas somente pelas differentes informações, e vista no Mez de Janeiro de 1777 pelo Marechal de Campo Funck. Colorido, nanquim, tinta colorida, aquarela, seta Norte, escala em léguas, nota explicativa, papel canson, telado, mau estado, 48,5 cm x 39 cm[3].

Francisco de Sousa Viterbo faz ainda referência às seguintes obras[4]:

Projecto para acrescentar o arsenal do trem da cidade do Rio de Janeiro feito em 1770, e numeração das obras que se devem acrescentar ao dito arsenal, com o caes defronte da praça, em 1770.

Plantas sobre o novo chafariz da praça da mesma cidade, em 1780.

Despeza da obra do caes que se construir adiante da mesma praça em 1781, e o modo de calçar a praça defronte do palacio com menos despeza. Pelo Marechal de Campo Jacques Funck. Autographo e inedito. Com 17 plantas architetonicas perfeitamente desenhadas e coloridas. Folio, 37 fls de texto e 17 plantas.

Plantas da situação da ilha de Santa Catharina e sua defeza, em 1775; do Rio Grande desde a entrada da barra até á porta de Mendanha, em 1776; dos portos e passagens entre o rio Camuracan e o rio Taquary, etc., em 1777. Interessante escreitpo, autographo e inedito, acompanhado de 11 plantas perfeitamente desenhadas e colrodias. Folio, 31 fl. de texto e 11 plantas.

Relação geral de todas as fortalezas e baterias ao redor da Bahia e praça do Rio de Janeiro, em 1766. Com 14 cartas topographicas com as plantas das fortificações.

Projecto de uma obra curva proposta sobre o cume da altura detraz da fortaleza de S. Cruz, em 1769. Com quatro carts..

Relação da revista do estado presente, de todas as obras das fortificações construidas em differentes lugares ao redor da bahia do Rio de Janeiro, feita em 1781. Com oito plantas. Aprimorado desenho e colorido nas cartas e plantas. Fol. de 40 fl. de texto e 26 cartas e plantas.

Revista geral de artilheria e munições que se acham ao todo no Rio de Janeiro. 1779 e 1780. Com tres estampas com desenhos de reparos de peças. Folio de 33 fl.

Notas

  1. Decretos remetidos ao Conselho de Guerra: maço 128, número 38 (apud Viterbo I 1899, 402)
  2. Viterbo, Diccionario Histórico e Documental dos Architectos, Engenheiros e Construtores Portugueses ou a serviço de Portugal, Vol I, 400-403.
  3. Arquivo Histórico do Exército - Brasil (AHEx). Cota: AHE 07.05.1644
  4. apud Viterbo I 1899, 402-403

Fontes

Arquivo Histórico do Exército - Brasil (AHEx)

Bibliografia

Entringer, Rogério. "Jacques Funck, Francisco João Roscio e José Custódio de Sá e Faria: urbanização e defesa no Rio de Janeiro Colonial - 1769-1779." Trabalho de conclusão de especialização, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, 2003.

Entringer, Rogério. "Jacques Funck e o uso do Clássico Iluminista no Rio de Janeiro Colonial." XXIV Colóquio CBHA...

Lessa, Clado Ribeiro. "Breve notícia sobre Jacques Funck e seus trabalhos de engenharia civil e militar no Brasil: 1768-1781." CHN 4 v. 10, (1949): 379-402.

Viterbo, Francisco de Sousa. Diccionario Histórico e Documental dos Architectos, Engenheiros e Construtores Portugueses ou a serviço de Portugal, Vol I. Lisboa: Tipografia da Academia Real das Ciências, 1899.

Ligações Externas

Jacques Funck In Fortalezas.org.

Jacques Funck In HPIP.

Autor(es) do artigo

Financiamento

Fundos nacionais através da FCT – Fundação para a Ciência e a Tecnologia, I.P., no âmbito do projeto TechNetEMPIRE | Redes técnico-científicas na formação do ambiente construído no Império português (1647-1871) PTDC/ART-DAQ/31959/2017

DOI

Citar este artigo