Lâmpada para a Catedral de Sevilha

From eViterbo
Jump to navigation Jump to search
Lâmpada
Data c. 1519-1521
Género Ourivesaria
Técnica Prata
Encomendador D. Manuel I

Historial

Lâmpada de prata que o rei D. Manuel I ofereceu à capela de Nossa Senhora del Antigua, na catedral de Sevilha. Destinou para a sua execução 600 marcos de prata[1].

O tempo que estimou para a sua execução foi de 3 anos. Não se sabe se a obra ficou completa, pois não é mencionada novamente e, em finais de 1521, D. Manuel morreu[2].

Viterbo supõe, dada a semelhança da descrição dos Apóstolos com a dos Apóstolos da Custódia de Belém, que pudesse ser Gil Vicente o autor desta obra, mas não se atreve a confirmar tal suposição[3].

Descrição

A sua base tinha dez palmos de diâmetro e estava lavrada "de romano e bestiães". Essa base era sustentada por um serafim, à margem do qual se encontravam os doze apóstolos, de três palmos de altura, cada um sustentando nas mãos a sua lâmpada. As suspensões do lampadário eram formadas por cadeias de meninos entrelaçados e o remate formado por um capitel de "maçonaria". Era decorada com esmaltes e pedraria[4].

Notas

  1. Francisco de Sousa Viterbo, Exposição d’Arte Ornamental. Notas ao Catalogo. (Lisboa: Imprensa Nacional, 1883), 45.
  2. Francisco de Sousa Viterbo, Exposição d’Arte Ornamental. Notas ao Catalogo. (Lisboa: Imprensa Nacional, 1883), 48.
  3. Francisco de Sousa Viterbo, Exposição d’Arte Ornamental. Notas ao Catalogo. (Lisboa: Imprensa Nacional, 1883), 46.
  4. Francisco de Sousa Viterbo, Exposição d’Arte Ornamental. Notas ao Catalogo. (Lisboa: Imprensa Nacional, 1883), 45-46.

Bibliografia e Fontes

Ligações Externas

Autor(es) do artigo

DOI

Citar este artigo