Luís Gonçalves Sena

From eViterbo
Jump to navigation Jump to search


Luís Gonçalves Sena
Nome completo Luís Gonçalves Sena
Outras Grafias valor desconhecido
Pai Manoel Gonçalves
Mãe Antónia Gomes
Cônjuge Feliciana Rosa
Filho(s) valor desconhecido
Irmão(s) valor desconhecido
Nascimento 1713
Santarém, Santarém, Portugal
Morte 1790
Santarém, Santarém, Portugal
Sexo Masculino
Religião valor desconhecido
Formação
Formação Instrução básica
Local de Formação Santarém, Santarém, Portugal


Biografia

Dados biográficos

Luís Gonçalves Sena nasceu em Santarém em 1713, filho de Manoel Gonçalves e de António Gomes. A sua formação realizou-se sob orientação de artista local:

(…) condescendem seus Pais, com estes ardentes, e naturais desejos de seu filho, procurando-lhe hum mestre, se não perfeito na faculdade, ao menos o melhor, que na terra havia. Finalizado o abalizado tempo desta instrucção, e recolhe-se ao domicilio paterno, com aquelas pequenas luzes, que hum Mestre ignorante é capaz de comunicar”[1].

Não existindo referência inequívoca ao mestre de Sena, Victor Serrão avançou com a possibilidade de ser Inácio Xavier - bolseiro de D. João V em Roma, discípulo de Benedetto Lutti e Paolo Mattei, celebrizado no regresso à vila pela obra de Santa Rita na Igreja de Graça[2]. Contudo, dos possíveis mestres apontados por Serrão, o seu percurso parece contraditório à ideia de hum Mestre ignorante referido por Benedicto no elogio fúnebre de Sena.

Carreira

Orientado por um espírito autodidata, Luís Gonçalves de Sena recorre à tratadística coeva tratando, reunindo em seu redor as obras que o informam na arte da pintura. É certo o acesso de Luís Sena ao tratado de Andrea Pozzo, por via tradução produzida localmente e atribuída a Inácio Piedade Vasconcelos. Assim como, ao modelo iconográfico de Cesare Ripa, o qual orientou o mesmo InáciomVasconcelos na redação dos seus Artefactos Simmetriacos, e Geometricos (1733).

Além da encomenda local, por particulares, irmandades e colégios da vila, foram dirigidas, ao pintor, solicitações a partir de Lisboa, enquanto retratista nos conventos de Jesus e de S. Francisco em Xabregas, ou, como quadraturista, na reconstrução da igreja do Colégio Real dos Nobres.

A sua obra maior corresponde à pintura do intradorso da abóbada da capela-mor do Colégio Jesuíta de Santarém, na qual Sena expressou as suas capacidades no domínio da composição arquitetónica e destreza perspética, permitindo-lhe o elogio de: “(…) quem duvidará de ser este ingénuo Pintor hum grande Arquiteto, ou Perspectivo, vendo a Capela mor da magnifica Igreja, (…) Aonde ele com a maior nobreza mostrou em perspectiva todos os poderes da Arte[3].

À sua obra Serrão atribui-lhe, ainda, por afinidades perspéticas e estilísticas com o teto do seminário de Santarém, o teto a fresco da capela-mor da igreja do Convento de Santo António em Gaeiras[4].

Outras informações

Obras

Relação das obras concretizadas por Luís Gonçalves de Sena:

1742, Pinta o painel do “Senhor do Pé de Escada”, igreja do Hospital de Jesus Cristo, Santarém.

1748, Pinta o teto da sacristia da Misericórdia, Santarém.

c. de 1750, Pinta o teto do subcoro do convento de S. Domingos dos Frades, Santarém (obra desaparecida).

c. de 1750, Pinta o teto da capela-mor e nave da Igreja de S. Martinho, Santarém.

c. de 1750, Pinta a tela “Almas do purgatório” em Capela do Convento de S. Francisco, Santarém (desaparecida).

c. de 1750, Pinta a tela “Última Ceia” para a Igreja de S. Martinho, Santarém - obra que poderá, segundo Serrão 1984, 274, corresponder à tela na capela anexa à igreja do Hospital de Jesus Cristo.

1750, Pinta o teto da nave da Igreja do Salvador, Santarém.

1752, Pinta o painel do “Repouso da Sagrada família no Egipto” e douramento das grades para a Capela de Nossa Senhora do Repouso da igreja do Hospital de Jesus Cristo, Santarém.

1754, Pinta o teto da capela-mor da igreja do Colégio Jesuíta, Santarém.

1755/59, Pinta o teto da Casa do Noviciado de Nossa Senhora da Assunção da Cotovia (Real colégio dos Nobres), Lisboa (obra desaparecida).

1783, Pinta o painel da bandeira da procissão da Indoenças, (s.l.).

17-- -, Pinta a série de quadros com iconografia dominicana para o coro do convento de S. Domingos, Santarém (desaparecidos).

17-- -, Pinta sete telas com episódios da paixão de Cristo para a Sacristia da Igreja da Misericórdia, Santarém.

Notas

  1. Benedicto, Elogio do grande apelles portuguez, Luiz Gonçalves de Senna, 5.
  2. Serrão, “Luís Gonçalves da Sena, pintor de Santarém no século XVIII", 265.
  3. Benedicto, Elogio do grande apelles portuguez, Luiz Gonçalves de Senna, 11.
  4. Serrão, "Luís Gonçalves da Sena, pintor de Santarém no século XVIII", 270.

Fontes

Benedicto, Joaquim Duarte. Elogio do grande apelles portuguez, Luiz Gonçalves de Senna. Lisboa: Officina patriarcal de Francisco Luiz Ameno, 1791.

Taborda, José da Cunha. Regras da arte da pintura. Lisboa: Impressão Régia, 1815.

Bibliografia

Almada, Carmen, e Luís Tovar Figueira. "Conservação e Restauro da Igreja do Seminário de Santarém”. Monumentos 4, (1996): 66-72.

Cabeleira, João. “Arquitecturas Imaginárias. Espaço real e ilusório no Barroco português”. Tese de Doutoramento, Universidade do Minho, 2015.

Cabeleira, João. “Deconstructing the imaginary space of a Quadratura”. Nexus Network Journal, Architecture and Mathematics 22, 2 (2019): 25-44.

Cabeleira, João. “Experiencing Architecture through Baroque Image: Gonçalves Sena, Painted Architecture as Architectural Space”. The International Journal of the Image 2, (2011): 119-213.

Cabeleira, João. “Realidade e Ilusão. A dimensão arquitetónica na Quadratura de Gonçalves Sena”. Em Catedral e Museu Diocesano de Santarém, coord. por Eva Raquel Neves e Joaquim Ganhão, 26-43. Santarém: Museu Diocesano de Santarém, 2021.

Mello, Magno. A pintura de tectos em perspectiva no Portugal de D. João V. Lisboa: Estampa, 1998.

Mello, Magno. Os tectos pintados em Santarém durante a fase barroca. Santarém: Câmara Municipal, 2001.

Mello, Magno. “O modelo pozziano na pintura de falsa arquitetura na obra do pintor-decorador Luís Gonçalves de Sena (1713-1790)”. Em Actas do IV Encontro de História da Arte – IFCH/UNICAMP, 388-407. Campinas: Unicamp, 2008.

Raczynski, Atanazy. Dictionnaire historico-artistique du Portugal pour faire suite à lªouvrage ayant pour titre: Les arts en Portugal, lettres adressées à la Société artistique et scientifique de Berlin et accompagnées de documents / par Le Comte A. Raczynski. Paris: Jules Renouard et Cie, Libraires-Éditeurs, 1847.

Serrão, Victor. “Luís Gonçalves da Sena, pintor de Santarém no século XVIII (1978)”. Em Estudos de pintura Maneirista e Barroca, 263-270. Lisboa: Editorial Caminho, 1989.

Serrão, Victor. “O tecto da Igreja do Seminário de Santarém e os seus presumíveis autores (1975)”. Em Estudos de pintura Maneirista e Barroca, 253-261. Lisboa: Editorial Caminho, 1989.

Serrão, Victor. “Os tectos pintados da Igreja do Antigo Colégio Jesuítico de Santarém e os seus autores”. Monumentos 4, (1996): 73.

Autor(es) do artigo

João Cabeleira

Lab2PT - Universidade do Minho

http://orcid.org/0000-0002-6800-8557

Financiamento

Fundos nacionais através da FCT – Fundação para a Ciência e a Tecnologia, I.P., no âmbito do projeto TechNetEMPIRE | Redes técnico-científicas na formação do ambiente construído no Império português (1647-1871) PTDC/ART-DAQ/31959/2017

DOI

https://doi.org/10.34619/ivmp-zexr

Citar este artigo

Cabeleira, João. "Luís Gonçalves Sena", in eViterbo. Lisboa: CHAM - Centro de Humanidades, FCSH, Universidade Nova de Lisboa, 2022. (última modificação: 12/07/2023). Consultado a 19 de julho de 2024, em https://eviterbo.fcsh.unl.pt/wiki/Lu%C3%ADs_Gon%C3%A7alves_Sena. DOI: https://doi.org/10.34619/ivmp-zexr