Manuel Sacramento Monteiro

From eViterbo
Jump to navigation Jump to search


Manuel Sacramento Monteiro
Nome completo Manuel José do Sacramento Monteiro
Outras Grafias valor desconhecido
Pai valor desconhecido
Mãe valor desconhecido
Cônjuge valor desconhecido
Filho(s) valor desconhecido
Irmão(s) valor desconhecido
Nascimento 1861
Cabo Verde
Morte valor desconhecido
Sexo valor desconhecido
Religião valor desconhecido
Formação
Data Início: 1881
Cargos
Cargo Condutor auxiliar


Biografia

Dados biográficos

Manuel José do Sacramento Monteiro, nasceu em 9 de setembro de 1861 na ilha do Fogo, Cabo Verde. É filho de Tadeu José de Sacramento Monteiro e de Leonarda Júlia Monteiro. Foi casado com Maria Hortência Correia de Sampaio em 15 de março de 1885. É pai de 2 filhos: Tadeu que nasceu a 15 de setembro de 1887 e Manuela que nasceu a 7 de maio de 1881.

Carreira

Assentou praça em 7 de setembro de 1881. matriculou-se em 1881 no curso de Cavalaria como soldado aos 20 anos. Frequentou a Escola do Exército e o Liceu do Funchal.

Em 1885 foi destacado para exercer uma comissão de serviço no ultramar. Foi nomeado ajudante de ordem do governador da Guiné em 5 de março de 1885. Foi transferido da Guiné para idêntico lugar em Cabo Verde onde desembarcou em 14 de abril.

Foi nomeado para servir em comissão nas obras públicas de Cabo Verde por portaria de 12 de março de 1886. Em novembro 1887 foi exonerado e nomeado para exercer na contadoria da junta da fazenda em março de 1887. Em maio de 1887 foi nomeado administrador do conselho e comandante militar da ilha da Boavista. Foi exonerado dos dois cargos por portaria de 9 de março de 1888. Sem concluir a comissão, em 3 de agosto seguiu viagem para o reino[1].

Em 1889 foi destacado para servir uma comissão no ultramar. Desembarcou em Sofala, Moçambique em 17 de junho, foi nomeado secretário do governador do distrito de Sofala e mais tarde, governador interino do referido distrito. Em maio de 1880 seguiu viagem para o reino por ter desistido do cargo.

Em outubro de 1890, foi nomeado condutor auxiliar e promovido a alferes. Desembarcou em Cabo Verde em 15 de novembro de 1890. Em fevereiro de 1893 foi nomeado condutor de 2ª classe e foi promovido a tenente por decreto de 12 de outubro. Regressou a Cabo Verde a 11 de novembro de 1893. Foi exonerado do cargo de condutor de 2ª classe das obras públicas de Cabo Verde e nomeado ajudante de campo do governador por portaria de 23 de maio de 1899. Em 1 de abril de 1900 seguiu para o reino.

Em 1890 foi agraciado com a medalha militar de prata da classe de comportamento exemplar.


[1] Arquivo Histórico Militar - Livro nº 2 - Registos dos oficiais do Estado-Maior de Cavalaria. Ficheiro n.º 100_087. https://ahmgermil-exercito.defesa.gov.pt/viewer?id=7777&FileID=15570&recordType=Description. Consultado em 30 de julho de 2022, às 20:18 horas

Outras informações

Em 1 de janeiro de 1891 foi destacado para a ilha do Fogo, para proceder ao levantamento da planta do montado real. Em 1892, foi encarregado de levantar a planta da parte da estrada da fonte da vila já feita bem como estudar e orçamentar a parte que restava e concluir o levantamento. Em 1 de janeiro foi destacado para a ilha de Santo Antão. Foi promovido a tenente de cavalaria do exército de Portugal e elevado à categoria de condutor de 2ª classe em 9 de fevereiro de 1893. Foi nomeado chefe da 1ª secção de trabalhos na capital e chefe do serviço de expediente da secretaria da direção, em 2 de março.

Obras

Notas

  1. Arquivo Histórico Militar - Livro nº 2 - Registos dos oficiais do Estado-Maior de Cavalaria. Ficheiro n.º 100_087. https://ahmgermil-exercito.defesa.gov.pt/viewer?id=7777&FileID=15570&recordType=Description. Consultado em 30 de julho de 2022, às 20:18 horas

Fontes

AHU, N. Ordem 905 1N SEMU DGU, "Livro 1880-1892 Registo de Pessoal das Obras Públicas ULT", p. 1v, 2f.

Arquivo Histórico Militar, Lista dos Alunos das Escolas Militares - Academia de Fortificação, Escola do Exército, Escola de Guerra e Escola Militar (1790 a 1940).

Bibliografia

Ligações Externas

Autor(es) do artigo

Fernando Pires

Financiamento

Fundos nacionais através da FCT – Fundação para a Ciência e a Tecnologia, I.P., no âmbito do projeto TechNetEMPIRE | Redes técnico-científicas na formação do ambiente construído no Império português (1647-1871) PTDC/ART-DAQ/31959/2017

DOI

Citar este artigo