Phillipo Catalani

From eViterbo
Jump to navigation Jump to search


Phillipo Catalani
Nome completo Phillipo Catalani
Outras Grafias Filipe Catalani,Filipe Catalano, Filipe Catalorni
Pai valor desconhecido
Mãe valor desconhecido
Cônjuge valor desconhecido
Filho(s) valor desconhecido
Irmão(s) Guiseppe Catalani
Nascimento 1729
Roma, Roma, Itália
Morte 1805
Goa, Índia
Sexo Masculino
Religião Cristã


Biografia

Dados biográficos

Phillipo Catalani - também grafado como Filipe Catalani, Filipe Catalano ou Filipe Catalorni - nasceu em 1729 ou 1730, muito provavelmente, em Roma, sendo parente de Giuseppe Catalani (1698-1774), teólogo e membro dos Jerónimos de San Girolamo della Carità[1]. Ingressou na Companhia de Jesus em 1750, e, em 1756, assistiu como irmão coadjutor em Goa[2]. Na noite de 26 de Setembro de 1759, Catalani foi preso, assim como quase todos os jesuítas em Goa. Ficou, então, confinado no Convento de Nossa Senhora do Carmo de Chimbel, pertencente à Ordem Terceira dos Carmelitas de Goa. Ao contrário de muitos outros jesuítas, Catalani não foi enviado para Portugal, tendo sido antes libertado e reabilitado pelo vice-rei Manuel de Saldanha e Albuquerque. A razão pela clemência deveu-se, seguramente, aos conhecimentos de engenharia e construção de Phillipo Catalani, que iniciou, então, carreira nos quadros do Estado da Índia. Faleceu cerca do ano de 1805 em Goa.

Carreira

Existem informações, aparentemente, contraditórias relativamente à progressão de Catalani ao serviço do Estado da Índia. No início da década de 1760, Catalani surge referenciado como "capitão-engenheiro"[3]. Por carta patente de 21 de Outubro de 1761, o vice-rei Manuel de Saldanha e Albuquerque nomeou-o "sargento mor de infantaria com exercício de engenheiro"[4]. Pelo seu desempenho na conquista da fortificação de Madranagor, perto de Pondá, Novas Conquistas, Goa, em Maio de 1763, Catalani foi promovido pelo vice-rei ao posto de "sargento-mor engenheiro"[5]. Uma referência de 1764 descreve-o como mercador e associa-o a um bordel em Batávia, Jakarta, Indonésia[6]. Aparentemente, por "resolução" de 7 de Abril de 1766, Catalani regressou ao posto de "capitão engenheiro"[7]. Em 1779, Catalani é referenciado como "engenheiro-mor e inspector das obras públicas". Trabalhava então na reconstrução de Velha Goa[8].

Outras informações

Obra

Em Mormugão, nas obras da nova capital para o Estado da Índia, fez o levantamento, em 1762, da Fábrica da Pólvora, então, em construção[9]. Foi encarregue das obras da "abertura do fosso por fora da muralha"[10] na fortificação da Aguada, pelo vice-rei João José de Melo em cerca de 1767. Desenhou a nova casa de Inácio Pinto, em Candolim - Bardez, Goa -, edificada a partir de Janeiro desse ano[10]. Esta família e residência tornaram-se célebres devido à "Revolta dos Pintos" de 1787.

Catalani esteve ainda encarregue das obras de reconstrução de Velha Goa, posto em prática no último quartel de setecentos. Em 1779, escreveu um relatório do estado em que se encontravam as obras de reconstrução e a cidade semi-abandonada[11]. Mais tarde, realizou um orçamento para a reabilitação do Colégio de São Roque, em Velha Goa, em cerca de 1791[12]. Em Janeiro desse ano, participou na conquista da fortificação de Piró em Sadashivgad, Karwar, tendo assinado uma planta da fortificação[13].

Notas

  1. Shahan, "Giuseppe Catalani", 3:427-428.
  2. Flasche, Aufsätze zur portugiesischen Kulturgeschichte, 420.
  3. Soares, Bosquejo das Possessões Portuguezas no Oriente, 3:142-161.
  4. Documentação Ultramarina Portuguesa, 5:517.
  5. As operações de conquista da fortificação perto de Pondá foram comandadas por Antóno José de Noronha, bispo de Halicarnasso. Soares, Bosquejo das Possessões Portuguezas no Oriente, 3:142-161.
  6. Arquivo Histórico Ultramarino. Índia, cx. 314. [Abril de 1764].
  7. Soares, Bosquejo das Possessões Portuguezas no Oriente, 3:142-161.
  8. Albuquerque, O Senado de Goa, 369-373.
  9. Arquivo Histórico Ultramarino. Planta do que se acha feita na Praça de Mormugão para a fábrica da Pólvora. Ms. color. 39,3x52,3 cm., enc. XI. 1762.
  10. 10,0 10,1 Rivara, A Conjuração de 1787 em Goa, 151.
  11. Historical Archives of Goa, Livro das Monções, nº 161, fl. 858. Relatório datado de 23 de Dezembro de 1779, citado em Costa, "Capitais da Índia Portuguesa", 118.
  12. O orçamento era de 113,600 xerafins. Saldanha, História de Goa (Política e Arqueológica), 2:62.
  13. Arquivo Histórico Ultramarino. Planta da Praça de Piró tomada em 30 de Janeiro de 1791. 34,3x52,7 cm. [1791?].

Fontes

Arquivo Histórico Ultramarino. Índia, cx. 314. [Abril de 1764].

Arquivo Histórico Ultramarino. Planta da Praça de Piró tomada em 30 de Janeiro de 1791. 34,3x52,7 cm. [1791?].

Arquivo Histórico Ultramarino. Planta do que se acha feita na Praça de Mormugão para a fábrica da Pólvora. Ms. color. 39,3x52,3 cm., enc. XI. 1762.

Bibliografia

Albuquerque, Viriato de. O Senado de Goa (memória histórico-arqueológica). Nova Goa: [s.ed.], 1989.

Costa, A. Delduque da. "Capitais da Índia Portuguesa". Oriente Português I (nova série), no. 1 (Dez 1931): 118.

Documentação Ultramarina Portuguesa. Vol. 5. Lisboa: Centro de Estudos Históricos Ultramarinos, 1967.

Flasche, Hans. Aufsätze zur portugiesischen Kulturgeschichte, 7:420. Aschendorff: Münster, 1969.

Gomes, Pe. Francisco Catão. "Um Jesuíta engenheiro do Estado". Heraldo, no. 8801 (15 Jul 1939).

Gracias, Ismael. Catálogo dos livros do assentamento da gente de guerra que veio do Reino para a Índia desde 1731 até 1811. Nova Goa: Imprensa Nacional, 1893.

Mota, A. Teixeira da. Cartas Antigas da Índia Existentes em Portugal (Séculos XVIII, XIX e XX). Coimbra: Coimbra Editora, 1980.

Rivara, Joaquim da Cunha Rivara. A Conjuração de 1787 em Goa. Nova Goa: Imprensa Nacional, 1875.

Saldanha, M. J. Gabriel. História de Goa (Política e Arqueológica). Vol. 2. Nova Goa: Livraria Coelho, 1926.

Shahan, Thomas. "Giuseppe Catalani". Em The Catholic Encyclopedia, 3:427-428. New York: Robert Appleton Company, 1908.

Soares, Joaquim Celestino. Bosquejo das Possessões Portuguezas no Oriente. T. 3. Lisboa: Imprensa Nacional, 1853.

Autor(es) do artigo

Sidh Losa Mendiratta

CES - Centro de Estudos Sociais, Universidade de Coimbra

https://orcid.org/0000-0003-2960-8100

Financiamento

Fundos nacionais através da FCT – Fundação para a Ciência e a Tecnologia, I.P., no âmbito do projeto TechNetEMPIRE | Redes técnico-científicas na formação do ambiente construído no Império português (1647-1871) PTDC/ART-DAQ/31959/2017

DOI

https://doi.org/10.34619/xgwb-i4n5   

Citar este artigo

Mendiratta, Sidh Losa. "Phillipo Catalani", in eViterbo. Lisboa: CHAM - Centro de Humanidades, FCSH, Universidade Nova de Lisboa, 2022. (última modificação: 12/07/2024). Consultado a 25 de julho de 2024, em https://eviterbo.fcsh.unl.pt/wiki/Phillipo_Catalani. DOI: https://doi.org/10.34619/xgwb-i4n5