António de Oliveira Bernardes

From eViterbo
Revision as of 17:30, 19 March 2024 by JAlmeida (talk | contribs) (→‎Citar este artigo)
(diff) ← Older revision | Latest revision (diff) | Newer revision → (diff)
Jump to navigation Jump to search


Antonio de Oliveira Bernardes
Nome completo António de Oliveira Bernardes
Outras Grafias EQUAL
Pai Pedro Figueira
Mãe Isabel Rodrigues
Filho(s) Policarpo de Oliveira Bernardes em 1695, Inácio de Oliveira Bernardes em 1697, Ana Oliveira Bernardes em 1700, José de Oliveira Bernardes em 1702, Valério de Oliveira Bernardes em 1702, Pedro de Oliveira Bernardes em 1706, Aurélia Maria Bernardes em 1707, Silvério de Oliveira Bernardes em 1708, Apolinário de Oliveira Bernardes em 1711, Maria de Oliveira Bernardes em 1713
Irmão(s) Maria da Conceição
Nascimento 1662
[[Beja]]
Morte 10 de abril de 1732 (70 anos)
[[Lisboa]]
Sexo masculino

Biografia

Dados biográficos

Pintor a óleo, de tectos e de azulejos, António de Oliveira Bernardes deixou uma vasta obra assinada e documentada. Era filho do pintor Pedro Figueira, natural do Alvito e de Isabel Rodrigues e nasceu em Beja na freguesia de Santa Maria. Morreu em Lisboa, depois de uma doença, na sua casa na Rua de Santa Catarina. Para mais informações sobre a sua biografia consultar o link em ligações externas.

A 17 de Março de 1694 casou com Francisca Xavier de Araújo, filha do pintor Francisco Ferreira de Araújo e de Madalena Costa e irmã de outro pintor, José Ferreira de Araújo. Vários dos seus filhos foram artistas: Policarpo de Oliveira Bernardes que seguiu as pegadas do pai como pintor de azulejos, Inácio de Oliveira Bernardes, também pintor, José de Oliveira Bernardes, que para além de pintar ingressou na Ordem de Cristo. Para além destes filhos teve também outros, Ana de Oliveira Bernardes, Valério de Oliveira Bernardes, Pedro de Oliveira Bernardes, Aurélia Maria Bernardes, Silvério de Oliveira Bernardes, Apolinário de Oliveira Bernardes e Maria de Oliveira Bernardes.

Carreira

Pensa-se que, para além da formação dada pelo seu pai, tenha estudado com Marcos da Cruz ou com Francisco Ferreira de Araújo, casando com uma filha deste, Francisca Xavier de Araújo, a 17 de Março de 1694.

Tornou-se membro da Irmandade de São Lucas em 1683, exercendo o cargo de mordomo entre 1686 e 1687[1]

Outras informações

Obras

  • século XVII (segunda metade) - Revestimento cerâmico do coro-baixo da Igreja Paroquial de Marvila, em Lisboa [1]
  • 1698 - Decoração do interior da Capela de Nossa Senhora dos Prazeres na Igreja de Nossa Senhora dos Prazeres em Beja (atribuído) [2]
  • 1698-1699 - Pintura de azulejos e do tecto da capela e da sala anexa à capela da Casa de Santa Maria em Cascais [3]
  • século XVIII - Pintura de azulejos na Igreja Paroquial da Charneca, em Lisboa [4]
  • século XVIII - Revestimento cerâmico do coro-baixo da igreja do mosteiro de Nossa Senhora da Esperança de Ponta Delgada (assinado) [5]
  • século XVIII (inícios) - Revestimento cerâmico da Capela da Nossa Senhora da Nazaré (atribuído) [6]
  • século XVIII (inícios) - Pintura das telas do apostolado do espaldar do cadeiral da capela-mor da Sé de Faro [7]
  • século XVIII (1º quartel) - Revestimento cerâmico da nave e capela-mor da Ermida de Nossa Senhora dos Remédios de Peniche (assinado) [8]
  • século XVIII (1º quartel) - Painéis de azulejo alusivos à vida de São Paulo Eremita na portaria de Convento dos Eremitas de São Paulo da Serra da Ossa, em Lisboa (atribuído) [9]
  • século XVIII (fins do 1º quartel) - Revestimento cerâmico da Igreja e Provedoria da Santa Casa da Misericórdia de Chaves (atribuído)[10]
  • século XVIII (primeira metade) - Revestimento cerâmico da capela-mor da Igreja Paroquial de São Lourenço de Setúbal (atribuído, colaboração possível com o filho Policarpo de Oliveira Bernardes) [11]
  • 1700-1701 - Revestimento cerâmico da sacristia da Igreja de Nossa Senhora da Consolação de Estremoz (atribuído)[12]
  • 1700-1719 - Revestimento cerâmico do arco triunfal da Igreja de Nossa Senhora da Consolação de Estremoz (atribuído)[13]
  • 1700-1725 - Revestimento cerâmico de altares da Igreja de Nossa Senhora da Consolação de Estremoz (atribuído) [14]
  • 1700-1725 - Revestimento cerâmico da capela-mor da Igreja de Nossa Senhora da Consolação de Estremoz (atribuído) [15]
  • 1701-1720 - Revestimento cerâmico da sala das Metamorfoses do Palácio Tancos em Lisboa (atribuído) [16] [17]
  • 1701-1720 - Revestimento cerâmico da sala das Damas do Palácio Tancos em Lisboa (atribuído) [18] [19]
  • 1710-1720 - Revestimento cerâmico da nave e da capela-mor da Ermida de Nossa Senhora da Cabeça de Évora (assinado)[20] [21]
  • 1701-1725 - Revestimento cerâmico da biblioteca da Sala do Capítulo do Antigo Convento dos Congregados de Estremoz, actual biblioteca da Câmara Municipal (atribuído) [22]
  • 1701-1725 - Revestimento cerâmico da capela-mor da Igreja de Nossa Senhora da Assunção de Safara (atribuído) [23]
  • 1701-1725 - Revestimento cerâmico da antiga Capela do Bispo do antigo Convento de São Paulo, actual sala de jantar do Hotel Museu da Serra d´Ossa em Aldeia da Serra, Redondo (assinado) [24] [25] [26]
  • 1701-1725 - Revestimento cerâmico da capela do desaparecido Edifício na Rua do Seminário, n.º 7, em Lisboa (atribuído) [27]
  • 1705 - Pintura do tecto da nave da igreja do convento de Santa Clara de Évora (atribuído) [28]
  • 1707 - Pintura e douramento da capela-mor da Igreja Paroquial do Lumiar em Lisboa (documentado) [29]
  • 1710-1725 - Revestimento cerâmico da sacristia da Sé de Portalegre (atribuído) [30]
  • 1710 - Revestimento cerâmico do transepto da igreja do convento de São Domingos de Benfica, em Lisboa [31]
  • 1711 - Revestimento cerâmico da Capela de Nossa Senhora da Penha em Sintra [32]
  • 1712 - Revestimento cerâmico da biblioteca do Edifício da Sociedade Filarmónica e Artística Estremocense [antiga Igreja da Misericórdia] de Estremoz (atribuído) [33]
  • 1712-1714 - Revestimento cerâmico do claustro e da cobertura da passagem para a sacristia na Igreja de Nossa Senhora das Mercês ou Igreja de Nossa Senhora de Jesus, em Lisboa [34]
  • 1713 - Revestimento cerâmico do frontal de azulejos da Capela do Rosário da Igreja de Nossa Senhora da Luz de Ponta Delgada (atribuído) [35]
  • 1714 - Revestimento cerâmico dos corredores da sacristia e escadas de acesso à tribuna do Santuário de Nossa Senhora da Nazaré (atribuído) [36]
  • 1714-1717 - Revestimento cerâmico da capela-mor da Igreja do Senhor dos Mártires na Fronteira (atribuído) [37]
  • 1715 - Revestimento cerâmico da capela de São Pedro de Rates da Sé de Braga (assinado) [38]
  • 1719-1720 - Revestimento cerâmico da nave da Igreja e Hospital da Misericórdia de Viana do Castelo (atribuído) [39]
  • 1721 - Revestimento cerâmico do interior da Capela de Nossa Senhora da Piedade em Sintra (atribuído) [40]
  • 1721 - Revestimento cerâmico da quinta da Capela, em Sintra (atribuído) [41]
  • 1729 - Revestimento cerâmico da capela de Nossa Senhora da Nazaré do Solar dos Falcões no Estoril [42]

Referências bibliográficas

  1. Viterbo, Notícia de Alguns Pintores Portuguezes e de outros que sendo estrangeiros exerceram a sua arte em Portugal, 118.

Bibliografia e Fontes

  • "O pintor António de Oliveira Bernardes", Terra Portuguesa 25-26 (1918): 64.
  • Carvalho, Rosário Salema de, "A pintura do azulejo em Portugal [1675-1725]. Autorias e biografias - um novo paradigma." Dissertação de Doutoramento, Universidade de Lisboa, 2012.
  • Correia, Vergílio, "A família Oliveira Bernardes", A Águia 71 e 72 (2ª série) (1917): 196-208.
  • Correia, Vergílio, "Azulejadores e pintores de azulejos, de Lisboa", A Águia 77 e 78 (2ª série) (1918): 167-178.
  • Coutinho, Maria João, "Contributos para o conhecimento dos pintores de Lisboa na época barroca (1664-1720)", Boletim Cultural da Assembleia Distrital de Lisboa 96 (1º tomo, série IV), (2011): 39-98.
  • Flor, Susana Varela, Marcos da Cruz e a pintura portuguesa do século XVII: do seu tempo fazia parelha aos mais.... Dissertação de Mestrado em Arte, Património e Restauro. Lisboa: Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, 2002.
  • Flor, Susana Varela, Flor, Pedro, Pintores de Lisboa: Séculos XVII-XVIII. A Irmandade de S. Lucas. Lisboa: Scribe, 2013.
  • Franco, Anísio, "António de Oliveira Bernardes e a unidade decorativa do espaço barroco." In Jerónimos 4 séculos de pintura. coord. Anísio Franco et al., 206-217. Lisboa: MC/IPPAR. 1992.
  • García Arranz, José Julio, "Azulejos and Emblematics in Eighteen-Century Portugal: the Hieroglyphic Programmes of Masters António and Policarpo de Oliveira Bernardes". In Mosaics of Meaning Studies in Portuguese Emblematics, edição de Luís Gomes, 101-123. Glasgow: University of Glasgow, 2009.
  • Gonçalves, Susana Cavaleiro Ferreira Nobre, "A arte do retrato em Portugal no tempo do barroco (1683-1750): conceitos, tipologias e protagonistas." Dissertação de Doutoramento, Universidade de Lisboa 2013.
  • Mangucci, Celso, "Francisco da Silva, António de Oliveira Bernardes e Francisco Lopes Mendes na Igreja da Misericórdia em Évora”, Cenáculo – Boletim online do Museu de Évora 3 (Setembro de 2008): 3-18.
  • Meco, José, O Azulejo em Portugal. Lisboa: Alfa, 1989.
  • Meco, José, "António de Oliveira Bernardes". In Dicionário da Arte Barroca em Portugal. coord. Paulo Pereira, 79-81. Lisboa: Editorial Presença. 1989.
  • Santa Maria, Agostinho de, Santuario Mariano, e Historia das Image[n]s milagrosas de Nossa Senhora, e das milagrosamente apparecidas, em graça dos Prègadores, & dos devotos da mesma Senhora.... Lisboa: na Officina de Antonio Pedrozo Galrao, 1933 [1707].
  • Serrão, Vítor, "O conceito de totalidade nos espaços do barroco nacional: a obra da igreja de Nossa Senhora dos Prazeres em Beja: 1672-1698", Revista da Faculdade de Letras, 21-22 5ª série, (1996/97).
  • Serrão, Vítor, "Nossa Senhora da Conceição de António de Oliveira Bernardes." In Entre o Céu e a Terra - Arte sacra da diocese de Beja, coord. José António Falcão. Tomo II. Beja: Departamento do Património Histórico e Artístico da Diocese de Beja, 2000.
  • Serrão, Vítor, "António de Oliveira Bernardes (1662-1732) e a pintura no tempo de D. Pedro II, entre Portugal e o Brasil. A influência do tecto e telas da igreja de Nª Sª dos Prazeres de Beja (1690-1695)." In Actas do VI Colóquio Luso-Brasileiro de História da Arte. vol. II, 729-754. Rio de Janeiro: CBHA, PUC-Rio, UERJ, UFRJ, 2004.
  • Serrão, Vítor, "O Património Artístico Barroco da Casa de Santa Maria – o tecto pintado e os azulejos de António de Oliveira Bernardes (1662-1732)". In Casa de Sta. Maria : Raul Lino em Cascais, 81-92. Cascais: Câmara Municipal de Cascais, 2005.
  • Serrão, Vítor, "A Igreja de Nossa Senhora dos Prazeres em Beja". In Arte e História de Um espaço barroco (1672-1698). coord. Vítor Serrão, Francisco Lameira e José António Falcão, 26-95. Lisboa: Aletheia Editores, 2007.
  • Serrão, Vítor, "A actividade artística de António de Oliveira Bernardes na Igreja da Conceição da Luz: um exemplo de cripto-história de arte". In Susana Varela Flor (coord.), A herança de Santos Simões, coord. Susana Varela Flor, 459-474. Lisboa: Colibri, 2014.
  • Simões, João Miguel dos Santos, Azulejaria em Portugal no século XVIII. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 1979.
  • Sobral, Luís de Moura, "TOTA PULCHRA EST AMICA MEA. Simbolismo e Narração num programa imaculista de António de Oliveira Bernardes", Revista Azulejo. (1995/1999): 71-90.
  • Sobral, Luís de Moura (ed. lit.), Bento Coelho e a Cultura do seu Tempo, 1620-1708. [Lisboa]: Instituto Português do Património Arquitectónico, Palácio Nacional da Ajuda, 1998.
  • Sobral, Luís de Moura, Pintura Portuguesa do Século XVII: Histórias, lendas, narrativas. Lisboa: Museu Nacional de Arte Antiga, 2004.
  • Teixeira, F. A. Garcês, A Irmandade de São Lucas - estudo do seu arquivo. Lisboa: [s.n.], 1931.
  • Torrinha, Joaquim, "A presença de António de Oliveira Bernardes na azulejaria de Estremoz", Callipole 7/8 (1999/2000): 223-242.
  • Viterbo, Francisco de Sousa. Notícia de Alguns Pintores Portuguezes e de outros que sendo estrangeiros exerceram a sua arte em Portugal. Lisboa: Tipografia da Academia Real das Ciências, 1903.

Ligações Externas

  • António de Oliveira Bernardes In Digitile

Autor(es) do artigo

DOI

Citar este artigo