António Rodrigues Nogueira

From eViterbo
Jump to navigation Jump to search


António Rodrigues Nogueira
Nome completo Antonio Rodrigues Nogueira
Outras Grafias valor desconhecido
Pai João Rodrigues Nogueira
Mãe Maria de Jesus
Cônjuge Adelina Augusta de Azevedo Vilaça
Filho(s) valor desconhecido
Irmão(s) valor desconhecido
Nascimento 23 fevereiro 1860
Coimbra, Portugal
Morte 25 julho 1918
Sexo Masculino
Religião valor desconhecido
Formação
Formação Matemática
Data Início: 1881
Instituição de Formação Universidade de Coimbra

Formação Engenharia Militar
Data Início: 26 de outubro de 1885
Postos
Data Início: 07 de outubro de 1881
Arma Artilharia

Posto Alferes
Data Início: 23 de julho de 1884
Arma Artilharia

Posto Alferes
Data Início: 09 de janeiro de 1889
Arma Engenharia
Cargos
Cargo Professor
Data Início: 23 de agosto de 1894

Cargo Professor
Data Início: 30 de março de 1912
Fim: 18 de maio de 1912


Biografia

Dados biográficos

António Rodrigues Nogueira nasceu a 23 de fevereiro de 1860, em Travanca de Lagos, Concelho de Oliveira do Hospital, Distrito de Coimbra. Era filho de João Rodrigues Nogueira e de Maria de Jesus. A 23 de janeiro de 1892 casou com Adelina Augusta de Azevedo Vilaça. Faleceu a 25 de julho de 1918[1].

Ingressou na Faculdade de Matemática da Universidade de Coimbra no ano letivo de 1881-1882[1].

A 26 de outubro de 1885 matriculou-se na Escola do Exército[1].

Carreira

Assentou praça como voluntário no Regimento de Artilharia n.º 1 a 7 de outubro de 1881[1]. Por decreto de 23 de julho de 1884 foi nomeado alferes aluno para a arma de artilharia. Por ordem do exército n.º 20 de 24 de novembro de 1885 passou ao regimento de engenharia, acabando por ser nomeado alferes para aquele regimento a 9 de janeiro de 1889[1].

A 15 de janeiro de 1891 embarcou para Moçambique, onde permaneceu desde 12 de fevereiro a 28 de outubro. A 24 de janeiro de 1891 foi nomeado tenente.

Por decreto de 23 de agosto de 1894 foi nomeado adjunto das 4.ª e 5.ª cadeiras da Escola do Exército. Mais tarde, lecionou as 15.ª e 16.ª cadeiras e, posteriormente, as 17.ª e 18.ª cadeiras na mesma instituição[1]. A 14 de julho de 1911 ascendeu ao posto de major[1].

Entre 13 de maio de 1895 e 12 de dezembro de 1896 esteve em Lourenço Marques em comissão de serviço[1].

Integrou a comissão encarregada de estudar as matérias a constar nos programas das disciplinas professadas no Instituto Superior Técnico, como preparatórios para os cursos de engenharia militar e artilharia da Escola de Guerra. Em 1912 foi nomeado lente da Escola de Guerra[1].

Ascendeu ao posto de tenente coronel e, a 31 de dezembro de 1917, a coronel[1].

Outras informações

Obras

Notas

  1. 1,0 1,1 1,2 1,3 1,4 1,5 1,6 1,7 1,8 1,9 Sepúlveda, Cristóvão Aires de Magalhães. Historia organica e politica do Exercito Português. Vol. 8. Coimbra: Imprensa da Universidade, 1919, 466-469

Fontes

Bibliografia

Sepúlveda, Cristóvão Aires de Magalhães. Historia organica e politica do Exercito Português. Vol. 8. Coimbra: Imprensa da Universidade, 1919, 466-469.

Galvão, João Alexandre Lopes. A Engenharia Portuguesa Na Moderna Obra de Colonização. Lisboa: Agência Geral das Colónias, 1940, 263-264.

Ligações Externas

Autor(es) do artigo

Financiamento

Fundos nacionais através da FCT – Fundação para a Ciência e a Tecnologia, I.P., no âmbito do projeto TechNetEMPIRE | Redes técnico-científicas na formação do ambiente construído no Império português (1647-1871) PTDC/ART-DAQ/31959/2017

DOI

Citar este artigo