Carlos Mardel

From eViterbo
Jump to navigation Jump to search


Carlos Mardel
Nome completo Carlos Mardel
Outras Grafias valor desconhecido
Pai valor desconhecido
Mãe valor desconhecido
Cônjuge valor desconhecido
Filho(s) Guilherme, José Mardel, Maria Joaquina, Francisca Xavier, Leonor
Irmão(s) valor desconhecido
Nascimento 1695
Morte 8 setembro 1763
Sexo Masculino
Religião valor desconhecido


Biografia

Dados biográficos

Volkmar Machado afirma que Carlos Mardel é oriundo da Hungria. Sousa Viterbo, no entanto, escreve que essa "tradição acceita ainda hoje na familia, o que julgamos, se nao destituida em absoluto da verdade, pelo menos sujeita a um coeficiente de correcção"[1]. Indica, ao invés, que talvez seja francês. Sabemos hoje que a informação de Volkmar estava correcta.

Sousa Viterbo aponta-o como natural ou residente em Montpellier, baseando-se no facto de conhecer famílias daí.

Carreira

Chega a Portugal em 1733 com patente de capitão engenheiro. Serve como coronel até 1763.

Recebe rendimentos como arquitecto das Águas Livres "(seu primeiro logar)", da Casa das Obras, do almoxarifado do sal de Setúbal.

Nomeado, a 22 de fevereiro de 1747, arquitecto dos paços reais (da Ribeira, Sintra, Salvaterra e Almeirim) e do convento da Batalha após a morte de Custódio Vieira.

Arquitecto das três Ordens Militares.

Medidor das obras das fortalezas da barra.

Arquitecto do Sereníssimo Estado de Bragança.

Um dos últimos arquitectos do paço de Salvaterra, mandado destruir a 25 de outubro de 1792[2].

Deu também risco para as obras do Real Colégio de S. Paulo, em Coimbra, com parecer dado a 13 de agosto de 1752, elogiando o mestre de obras Gaspar Ferreira[3].

Outras informações

Obras

  • Obras referidas por Sousa Viterbo:
  • Palácio de Salvaterra, o Convento de S. Domingos, o Colégio dos Nobres, o palácio do marquês de Pombal em Oeiras, o chafariz da Rua Formosa e o da Esperança, o convento de S. João Nepomuceno, a sua casa em Santa Isabel e o risco para o palácio de D. José em Campo de Ourique[4].

Notas

  1. Viterbo, Diccionario Histórico e Documental dos Architectos, Engenheiros e Construtores Portugueses ou a serviço de Portugal, Vol III, 367-377
  2. Viterbo, Diccionario Histórico e Documental dos Architectos, Engenheiros e Construtores Portugueses ou a serviço de Portugal, Vol II, 132-135
  3. Viterbo, Diccionario Histórico e Documental dos Architectos, Engenheiros e Construtores Portugueses ou a serviço de Portugal, Vol II, 457-460
  4. Viterbo, Diccionario Histórico e Documental dos Architectos, Engenheiros e Construtores Portugueses ou a serviço de Portugal, Vol II, 132-135

Fontes

Bibliografia

Ataíde, Manuel Maia. “O Aqueduto das Águas Livres. Descrição e alguns comentários técnicos a propósito” In D.João V e o abastecimento de água a Lisboa. vol. 1, dirigido por Irisalva Moita. Lisboa: CML, 1990. 101-108.

Augusto-França, José. Lisboa História Física e Moral. Lisboa: Livros Horizonte, 2008. Bonifácio, Horácio Manuel Pereira. "Polivalência e contradição: tradição seiscentista: o Barroco e a inclusão de sistemas ecléticos no séc. XVIII: a segunda geração de arquitectos." Tese de Doutoramento, Universidade Técnica de Lisboa, 1990.

Cabeças, Raquel Luz Medina Garção. "Teatro como cidade - cidade como palco: a arte performativa como espelho da sociedade e parcela da cidade". Lisboa: UAL, 2012.

Calado, Maria Margarida Teixeira Barradas. “Urbanismo e poder no Portugal do século XVIII” In Lisboa Iluminista e o Seu Tempo, A Evolução do Urbanismo da Cidade de Lisboa, Modelos Urbanísticos Reticulares em Portugal, Modelos Urbanísticos Reticulares na Europa e no Ultramar. Lisboa: Imprensa Nacional-Casa da Moeda, 1997. 171-191.

Câmara, Maria Alexandra Trindade Gago da, Maria Helena Murteira e Paulo Simões Rodrigues. "City and spectacle : a vision of pre-earthquake Lisbon" In VSMM 2009. International Conference on Virtual Systems and Multimedia, 15, Viena, 2009. Los Alamitos: IEEE Computer Society, 2009. 239-243.

Carvalho, Ayres de. D. João V e a Arte do seu Tempo. 2 vols. Lisboa: ed. do autor, 1960-62.

Cavalcanti, Nireu Oliveira. O Rio de Janeiro setecentista: a vida e a construção da cidade da invasão francesa até a chegada da corte. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 2004.

Faria, M. F. "6 June, the King's birthday present: an insight into the history of royal monuments in Portugal at the end of the Ancien Régime"In Reading the Royal Monuments in Eighteenth- Century Europe, Chastel-Rousseau, C. (ed.). Londres: Ashgate, 2011. 71-91.

Filho, António. Praça XV: projetos do espaço público. Rio de Janeiro: 7Letras, 2008.

Graça, Ana Catarina Serafim de Sousa. "Cidade, espaço público e corpo: água enquanto gerador de espaço". Dissertação de Mestrado. Lisboa: UAL, 2013.

Moita, Irisalva, (dir.). Catálogo D. João V e o Abastecimento de Água a Lisboa. 2 vols. Lisboa: CML, 1990.

Pereira, José Fernandes. Arquitectura Barroca em Portugal. Lisboa: Instituto de Cultura e Língua Portuguesa, 1986.

Pereira, Paulo (dir.). História da Arte em Portugal. vol. III. Lisboa: Círculo de Leitores, 1995.

Ponces, Gonçalo Maria Pinto Basto Calheiros. "Celebrating the water in the city". Dissertação de Mestrado. Lisboa: UAL, 2014.

Pinto, Margarida Maria Vassalo Bernardino Marques. "Permanências e Transformações. Pensar a Baixa Pombalina". Dissertação de Mestrado. Lisboa: UAL, 2015.

Rossa, Walter. “Águas Livres, Aqueduto das” In Dicionário da Arte Barroca em Portugal, dirigido por José Fernandes Pereira e coordenado por Paulo Pereira. Lisboa: Editorial Presença, 1989. 19-21.

Rossa, Walter. Além da Baixa, Indícios de planeamento urbano na Lisboa Setecentista. Lisboa: Ministério da Cultura/Instituto Português do Património Arquitectónico, 1998.

Tavares, Pedro, Sofia Salema e Fernando Baptista Pereira. "O claustro do Mosteiro de Santa Clara-a-Nova de Coimbra. Estudo arquitectónico do sistema hidráulico implementado com a reforma barroca" In Livro de actas - 2.º Congresso Internacional de História da Construção Luso-Brasileira. Porto: Centro de Estudos de Arquitectura e Urbanismo da Universidade do Porto (CEAU-UP), 2016.

Viterbo, Francisco de Sousa. Carlos Mardel : novos apontamentos para a sua biographia. Lisboa: Typographia do Commercio, 1909.

Viterbo, Francisco de Sousa. Diccionario Histórico e Documental dos Architectos, Engenheiros e Construtores Portugueses ou a serviço de Portugal. Vol II. Lisboa: Tipografia da Academia Real das Ciências, 1904.

Viterbo, Francisco de Sousa. Diccionario Histórico e Documental dos Architectos, Engenheiros e Construtores Portugueses ou a serviço de Portugal. Vol III. Lisboa: Tipografia da Academia Real das Ciências, 1922.

Ligações Externas

Carlos Mardel In Fundação Casa de Rui Barbosa.

Carlos Mardel In Infopédia.

Carlos Mardel In Wikipédia.

Carlos Mardel In Wikipédia (EN). Praça XV, Residência dos Governadores (Paço Imperial), Chafariz do Mestre Valentim, Sobrados e Arco do Teles (HPIP)

Autor(es) do artigo

Financiamento

Fundos nacionais através da FCT – Fundação para a Ciência e a Tecnologia, I.P., no âmbito do projeto TechNetEMPIRE | Redes técnico-científicas na formação do ambiente construído no Império português (1647-1871) PTDC/ART-DAQ/31959/2017

DOI

Citar este artigo