José Maria Nepomuceno

From eViterbo
Jump to navigation Jump to search



José Maria Nepomuceno
Nome completo José Maria Nepomuceno
Outras Grafias valor desconhecido
Pai Manuel Joaquim Nepomuceno
Mãe Gertrudes Magna das Dores Lobo
Cônjuge Olinda Júlia Teixeira de Carvalho
Filho(s) Maria Amélia, Maria Júlia, Jaime Augusto, Maria Virgínia, Maria Palmira, Maria Ernestina, Fernão Gustavo
Irmão(s) valor desconhecido
Nascimento 23 agosto 1836
Lisboa, Lisboa, Portugal
Morte 16 junho 1895
Lisboa, Lisboa, Portugal
Sexo Masculino
Religião valor desconhecido
Formação
Formação Arquitectura
Data Fim: 1858
Instituição de Formação Academia de Belas Artes de Lisboa
Local de Formação Lisboa, Lisboa, Portugal

Formação Instrução técnico-profissional
Data Fim: 18 de outubro de 1869
Local de Formação Lisboa, Lisboa, Portugal
Cargos
Cargo Condutor de 1ª classe
Data Início: 23 de fevereiro de 1865
Local Cargo Larache, Marrocos

Cargo Arquitecto
Data Início: 17 de fevereiro de 1886
Actividade
Actividade Acompanhamento de obra
Data Início: 1865
Local de Actividade Larache, Marrocos

Actividade Acompanhamento de obra
Data Início: agosto de 1867
Local de Actividade Lisboa, Lisboa, Portugal

Actividade Desenho de arquitectura
Data Início: 1874
Local de Actividade Lisboa, Lisboa, Portugal

Actividade Desenho urbano
Local de Actividade Lisboa, Lisboa, Portugal

Biografia

Dados biográficos

José Maria Nepomuceno nasceu em Lisboa, na Rua de São Marçal, a 23 de Agosto de 1836, filho de Manuel Joaquim Nepomuceno, empregado da Junta do Comércio, e de Gertrudes Magna das Dores Lobo. Morreu em Lisboa, a 16 de Junho de 1895, de um abcesso hepático. Jaz em jazigo próprio no cemitério de S. João.

Casou em Lisboa a 30 de Novembro de 1863 com Olinda Júlia Teixeira de Carvalho, natural de Tomar, e teve sete filhos desse matrimónio: Maria Amélia, Maria Júlia, Jaime Augusto, Maria Virgínia, Maria Palmira, Maria Ernestina e Fernão Gustavo.

Em 1858, concluiu o curso de arquitectura pela Academia de Belas Artes de Lisboa e as respectivas cadeiras do Instituto Industrial de Lisboa. Obteve uma medalha de ouro nesse ano e foi nomeado académico de mérito a 18 de Outubro de 1869[1].

Carreira

Entrou para o Ministério das Obras Públicas a 23 de Fevereiro de 1865 como conductor de 1ª classe, partindo em seguida para Larache, em Marrocos, onde devia reedificar o palácio do cônsul geral José Daniel Colaço.

Em Agosto de 1867, trabalhava na reedificação do Asilo Maria Pia, tendo solicitado o apoio temporário do desenhador das Obras Públicas de Lisboa José Pereira de Sena à Comissão dos Melhoramentos da Capital[2].

Em 1869, iniciou a primeira fase de restauro do Convento da Madre de Deus, que acompanhou até 1895, juntamente com Francisco Liberato Teles de Castro e Silva, conductor de 1ª classe que o veio a substituir após o falecimento, Francisco Augusto Ribeiro, construtor civil, e Daniel Sampaio, canteiro[3].

A 27 de Abril de 1874, foi louvado por ter oferecido uma colecção de desenhos de artistas portugueses à Academia de Belas Artes de Lisboa.

Por decreto de 11 de Março de 1875, foi nomeado vogal da comissão de reforma do ensino da Academia de Belas Artes de Lisboa[1].

Foi nomeado arquitecto dos hospitais de Lisboa por portaria de 18 de Agosto de 1874, tendo recebido louvor pelo trabalho desenvolvido por portaria de 11 de Março de 1876. Foi promovido a arquitecto de 2ª classe em 17 de Fevereiro de 1886 e de 1ª classe em Dezembro de 1892.

Outras informações

Por decreto de 28 de Março de 1870, foi agraciado com o hábito da Ordem de Cristo[1].

Quando faleceu, possuía uma grande biblioteca e uma colecção de desenhos originais e azulejos.

Obras

- Projecto e construção do Asilo Maria Pia.

- Remodelação do pórtico da igreja da Madre de Deus, em Lisboa, com base na pintura que representa a chegada das relíquias de Santa Auta a Lisboa.

- Restauro do Convento da Madre de Deus.

- Direcção das obras dos tribunais militares.

- Direcção das obras do Asilo D. Luís em Marvila.

- Direcção das obras do Asilo de Mendicidade.

- Direcção do restauro da igreja de S. Vicente e da igreja de Odivelas.

- Projecto de nova Escola Médico-cirúrgica.

- Faculdade de Ciências Médicas.

- Pavilhão de Segurança, edifício das Enfermarias em Poste Telefónico, o edifício das Oficinas para Doentes e a escadaria em ferro fundido do Edifício Principal do Hospital Miguel Bombarda.

Notas

  1. 1,0 1,1 1,2 Viterbo, Diccionario Histórico e Documental dos Architectos, 3:393-395.
  2. Arquivo Histórico Ultramarino. 758/1. 1D. MU. Cx. 1884-1932. Processos Individuais. STP. "José Pereira de Senna", 26 de Agosto de 1867.
  3. Rodrigues, "O detalhe como dispositivo temporal", 71.

Fontes

Arquivo Histórico Ultramarino. 758/1. 1D. MU. Cx. 1884-1932. Processos Individuais. STP. "José Pereira de Senna", 26 de Agosto de 1867.

Bibliografia

Freire, Vitor Albuquerque. Panóptico, Vanguardista e Ignorado. O Pavilhão de Segurança do Hospital Miguel Bombarda. Lisboa: Livros Horizonte, 2009.

Rodrigues, Paulo Simões. "O detalhe como dispositivo temporal do restauro arquitetónico em Portugal no século XIX: o caso do comboio no convento da Madre de Deus em Lisboa". Palíndromo 14, no. 33 (Maio 2022): 64-86.

Viterbo, Francisco de Sousa. Diccionario Histórico e Documental dos Architectos, Engenheiros e Construtores Portugueses ou a serviço de Portugal. Vol. 3. Lisboa: Tipografia da Academia Real das Ciências, 1922..

Ligações Externas

Associação Portuguesa de Arte Outsider. "Museu Miguel Bombarda / Miguel Bombarda Museum. Arte Outsider, Arte de Doentes e Neurociências / Outsider Art, Patient Art and Neurosciences".

Wikipédia, a enciclopédia livre. "José Maria Nepomuceno".

Autor(es) do artigo

Mafalda Pacheco

CHAM - Centro de Humanidades, FCSH, Universidade Nova de Lisboa

https://orcid.org/0000-0002-1091-6325

Financiamento

Fundos nacionais através da FCT – Fundação para a Ciência e a Tecnologia, I.P., no âmbito do projeto TechNetEMPIRE | Redes técnico-científicas na formação do ambiente construído no Império português (1647-1871) PTDC/ART-DAQ/31959/2017

DOI

https://doi.org/10.34619/pb5m-vgat

Citar este artigo

Pacheco, Mafalda. "José Maria Nepomuceno", in eViterbo. Lisboa: CHAM - Centro de Humanidades, FCSH, Universidade Nova de Lisboa, 2022. (última modificação: 11/07/2024). Consultado a 23 de julho de 2024, em https://eviterbo.fcsh.unl.pt/wiki/Jos%C3%A9_Maria_Nepomuceno. DOI: https://doi.org/10.34619/pb5m-vgat