António Duarte e Silva

From eViterbo
Jump to navigation Jump to search


António Duarte e Silva
Nome completo António Duarte e Silva
Outras Grafias António Duarte Silva, António Duarte da Silva
Pai António Joaquim Nunes da Silva
Mãe Francisca Rosa Fonseca
Cônjuge Maria Emília de Freitas Fernandes
Filho(s) António Silva, José Sebastião Duarte Silva, Joaquim Plácido Duarte Silva
Irmão(s) valor desconhecido
Nascimento 17 dezembro 1847
Évora, Portugal
Morte 22 janeiro 1912
Sexo Masculino
Religião Cristã
Formação
Data Início: 04 de outubro de 1865
Local de Formação Lisboa, Lisboa, Portugal

Data Início: 1866
Fim: 1868
Local de Formação Lisboa, Lisboa, Portugal
Postos
Data Início: 18 de outubro de 1866
Fim: 14 de janeiro de 1869
Arma Cavalaria

Posto Alferes
Data Início: 14 de janeiro de 1869
Fim: 15 de novembro de 1876
Arma Cavalaria

Posto Capitão
Data Início: 15 de novembro de 1876
Fim: 24 de março de 1886
Arma Cavalaria

Posto Major
Data Início: 24 de março de 1886
Fim: 27 de setembro de 1894
Arma Cavalaria

Posto Tenente-coronel
Data Início: 27 de setembro de 1894
Fim: 23 de dezembro de 1898
Arma Cavalaria

Posto Coronel
Data Início: 23 de dezembro de 1898
Fim: 03 de fevereiro de 1899
Arma Cavalaria
Cargos
Cargo Condutor de 1ª classe
Data Início: 08 de novembro de 1876
Fim: 12 de fevereiro de 1881

Cargo Chefe de secção
Data Início: 1879

Cargo Director
Data Início: 22 de fevereiro de 1885

Cargo Condutor de 1ª classe
Data Início: 24 de março de 1886
Fim: 29 de maio de 1889

Cargo Condutor de 1ª classe
Data Início: 04 de março de 1891
Fim: 24 de abril de 1893
Actividade
Actividade Fiscalização
Data Início: 23 de dezembro de 1898
Fim: 03 de fevereiro de 1899
Local de Actividade Moçambique


Biografia

Dados biográficos

António Duarte e Silva nasceu em 17 de Dezembro de 1847 em Borba, Évora. Era filho de António Joaquim Nunes da Silva e Francisca Rosa Fonseca[1].

Contraiu matrimónio com Maria Emília de Freitas Fernandes em 20 de Agosto de 1884, tendo ficado viúvo em 1905. Foi pai de António Silva nascido a 17 de Julho de 1885[1], José Sebastião Duarte Silva[2] e Joaquim Plácido Duarte Silva[3].

Realizou os estudos preparatórios no Liceu de Évora e no Liceu Nacional de Lisboa e frequentou a primeira cadeira da Escola Politécnica de Lisboa na qual se matriculou em 4 de Outubro de 1865[4]. No ano seguinte, matriculou-se no curso de Infantaria e Cavalaria na Escola do Exército[5] que concluiu, em 1868[6], na vertente de cavalaria[7]. Recebeu um prémio pecuniário no 2.º ano do curso no ano lectivo de 1867-1868[8].

Faleceu em 22 de Janeiro de 1912[9].

Carreira

Assentou praça como voluntário em 18 de Outubro de 1866, já a frequentar a Escola do Exército, ficando afecto ao Regimento de Cavalaria n.º 1, Lanceiros de Victor Emanuel. Foi promovido a alferes graduado em 14 de Janeiro de 1869 passando ao regimento n.º 3. Progrediu ao posto de tenente em 18 de Agosto de 1875 ficando afecto ao Regimento de Cavalaria n.º 6. Em 1875, encontrava-se colocado no Regimento de Cavalaria n.º 1, Lanceiros de Victor Manuel[10].

Foi requisitado para servir na Direcção das Obras Públicas de Angola em 8 de Novembro de 1876, sendo ordenado a habilitar-se para ocupar o lugar de condutor de trabalhos através de estágio junto da Direcção das Obras Públicas do districto de Lisboa[11]. Em função da comissão alcançou o posto de capitão em 15 de Novembro do mesmo ano[1].

Já em Angola, em Dezembro de 1876, era indicado como condutor de 1.º classe no Caminho de Ferro de Ambaca[12][13]. O exercício do lugar foi contratualizado com o Estado em 1878 para um período de três anos com direito à promoção de um posto na arma[14]. A partir do ano seguinte passou a chefiar a circunscripção de obras públicas do Dondo, acumulando com a administração e fiscalização sobre a construção da linha telegráfica do leste, do Dondo a Caculo. Na região participou também na construção da ligação por estrada entre Dondo e Caculo, do paiol do Dondo e na instalação do hospital-barraca do Dondo[15].

Terminada a comissão de serviço em 12 de Fevereiro de 1881 regressou ao Reino e foi colocado no Estado Maior de Cavalaria em 30 de Outubro de 1884. No ano seguinte, em 22 de Fevereiro, assumiu funções como director da Escola Regimental[1].

Retomou a Angola em comissão de serviço para a qual foi nomeado em 24 de Março de 1886, no posto de major. Esteve em serviço efectivo entre 1 de Junho de 1886 e 29 de Maio de 1889 e entre 4 de Março de 1891 e 24 de Abril de 1893, tendo assistido à inauguração da linha de Ambaca em 1886[12].

Decidiu não continuar a comissão[16] e apresentou-se ao Ministério da Guerra em 9 de Abril de 1894. Foi primeiro colocado em situação de disponibilidade e depois transferido para o Regimento de Cavalaria n.º 6 e, depois, para o regimento n.º 3, Rei Eduardo VII. Alcançou o posto de tenente coronel em 27 de Setembro daquele ano. Já, em 1896, foi colocado no Estado Maior da sua arma como requirido por si[17]. Passou à inactividade temporária em 1897, retornando à disponibilidade no ano seguinte[1].

Serviu durante um curto período de tempo na Companhia de Moçambique em serviço de fiscalização no Caminho de Ferro da Beira, mais precisamente entre 23 de Dezembro de 1898 e 3 de Fevereiro de 1899, data em que foi colocado na disponibilidade da arma. A desistência da comissão de serviço levou à anulação da progressão ao posto de coronel, que estava associada à primeira e que havia realizado em 29 de Dezembro de 1898[1][18]. Em 10 de Janeiro de 1900, assumiu o comando do Regimento de Cavalaria n.º 3[19]. Detinha o posto de coronel, pelo menos, em 1901[3].

Retomou ao Estado Maior da arma de Cavalaria entre 15 de Julho de 1905 e Agosto do mesmo ano e, novamente, entre 14 de Março de 1908 e 23 de Julho, data em que foi colocado em inactividade temporária[1]. Realizou o tirocínio (estágio) para acesso ao posto de general de brigada em 1907[20] e presidiu ao 1.º Conselho de Guerra Territorial durante o segundo quadrimestre de 1908[21]. No final desse ano foi diagnosticado com paludismo crónico[22] e, em 21 de Dezembro, foi considerado incapaz de serviço activo[23]. Foi-lhe concedido o posto de general de divisão com efeitos para a reforma[24].

Pelo serviço até então prestado, receberia, em 1896, a nomeação de oficial da Ordem Militar de São Bento de Avis e de comendador da mesma ordem em 1899. Em 1903, foi lhe conferido o grau de comendador da Real Ordem Victoria de Inglaterra após realizar uma missão militar a Londres pela coroação de Eduardo VII, e de cavaleiro comendador no ano seguinte[1].

Obras

Caminho de Ferro de Ambaca (1877-1881).

Estrada entre Dondo e Caculo (1877-1881).

Paiol do Dondo (1877-1881).

Hospital-barraca do Dondo (1877-1881).

Notas

  1. 1,0 1,1 1,2 1,3 1,4 1,5 1,6 1,7 Arquivo Histórico Militar. Processos Individuais. Cx. 1207. Proc. 2. Processo de António Duarte Silva. Nota dos assentos que tem no livro de matricula e no registo disciplinar o official abaixo mencionado. Numero de matricula 76.
  2. Relação dos candidatos a alumnos pensionistas do estado a que se refere este annuncio, Diário do Governo, no. 211, 19 de Setembro de 1896, 2585.
  3. 3,0 3,1 Relações dos candidatos que podem ser admittidos no Real Collegio Militar, 6 de Setembro de 1901, Diário do Governo, no. 200, 7 de Setembro de 1901, 2414.
  4. Arquivo Histórico Militar. Processos de alunos das Escolas Militares. Cx. 20. Proc. 1780. Processo de António Duarte e Silva. Atestado passado por Fernando de Magalhães Vilas Boas, secretário interino da Escola Politécnica de Lisboa. Lisboa, 17 de Outubro de 1866.
  5. Arquivo Histórico Militar. Processos de alunos das Escolas Militares. Cx. 20. Proc. 1780. Processo de António Duarte e Silva. Documento n.º 1.
  6. Arquivo Histórico Militar. Processos de alunos das Escolas Militares. Cx. 20. Proc. 1780. Processo de António Duarte e Silva. Requerimento de António Duarte e Silva. Lisboa, 6 de Dezembro de 1868.
  7. Arquivo Histórico Militar. Lista dos Alunos das Escolas Militares - Academia de Fortificação, Escola do Exército, Escola de Guerra e Escola Militar (1790 a 1940), liv. 7, fl. 101, mç. 20, proc. 1780. António Duarte e Silva.
  8. Arquivo Histórico Militar. Processos Individuais. Cx. 1207. Proc. 2. Processo de António Duarte Silva. Nota dos assentos que tem no livro de matricula e no registo disciplinar o official abaixo mencionado.
  9. Arquivo Histórico Militar. Processos Individuais. Cx. 1207. Proc. 2. Processo de António Duarte Silva. Ordem do Exército, II Série, n.º 4, 7 de Fevereiro de 1912.
  10. Vide o documento citado para uma relação completa dos regimentos aos quais esteve afecto. Arquivo Histórico Militar. Processos Individuais. Cx. 1207. Proc. 2. Processo de António Duarte Silva. Nota dos assentos que tem no livro de matricula e no registo disciplinar o official abaixo mencionado. Numero de matricula 76.
  11. Arquivo Histórico Ultramarino. 762,1. 1D. MU. Cx. 1876-1931. Processos Individuais. ANG. António Duarte Silva. Proposta. Lisboa, 8 de Novembro de 1876.
  12. 12,0 12,1 "Inauguração das Obras do Caminho de Ferro de Loanda a Ambaca", 283.
  13. Arquivo Histórico Ultramarino. 870. Cod. Dep. 1L. SEMU. Cx. 1877-1900. Obras públicas. Angola. Mapas de Pessoal. Caminho de Ferro d'Ambaca. Relação do pessoal e respectivos vencimentos e addiantamentos. Lisboa, 19 de Novembro de 1876.
  14. Contrato, 30 de Abril de 1877, Diário do Governo, no. 95, 29 de Abril de 1878, 1049.
  15. Ribeiro, "Relação do pessoal technico das obras publicas em 1879", 762-763.
  16. Boletim Militar do Ultramar n.º 5, 2 de Maio de 1894, Diário do Governo, no. 100, 5 de Maio de 1894, 1139.
  17. Arquivo Histórico Militar. Processos Individuais. Cx. 1207. Proc. 2. Processo de António Duarte Silva. Abaixo assinado por António Duarte Silva. Estremoz, 2 de Janeiro de 1896.
  18. Arquivo Histórico Militar. Processos Individuais. Cx. 1207. Proc. 2. Processo de António Duarte Silva. Ofício da Secretaria de Estado dos Negócios da Marinha e Ultramar ao Director Geral do Ministério da Guerra. Lisboa, 10 de Dezembro de 1898.
  19. Arquivo Histórico Militar. Processos Individuais. Cx. 1207. Proc. 2. Processo de António Duarte Silva. Ofício do Comandante da 4.ª Divisão Militar ao Director Geral da Secretaria da Guerra. Évora, 13 de Janeiro de 1900.
  20. Arquivo Histórico Militar. Processos Individuais. Cx. 1207. Proc. 2. Processo de António Duarte Silva. Tirocinio para o posto de General de Brigada. Relatorio da visita feita á Escola pratica de Cavalaria pelo Comandante de Cavalaria n.º 10 António Duarte e Silva.
  21. Arquivo Histórico Militar. Processos Individuais. Cx. 1207. Proc. 2. Processo de António Duarte Silva. Ofício n.º 756 do Chefe da 1.ª Repartição de Serviços do Estado Maior, Instrucção e Justiça ao Director de Cavalaria. Lisboa, 20 de Abril de 190[8].
  22. Arquivo Histórico Militar. Processos Individuais. Cx. 1207. Proc. 2. Processo de António Duarte Silva. Relatório da Junta Hospital de Inspecção. Lisboa, 14 de Dezembro de 1908.
  23. Almanaque do Exército, 195.
  24. Arquivo Histórico Militar. Processos Individuais. Cx. 1207. Proc. 2. Processo de António Duarte Silva. Folha de matricula do Coronel Antonio Duarte Silva.

Fontes

Almanaque do Exército ou Lista Geral de Antiguidades dos Oficiais do Exército Metropolitano e Empregados Civis. Lisboa: Imprensa Nacional, 1912.

Arquivo Histórico Militar. Lista dos Alunos das Escolas Militares - Academia de Fortificação, Escola do Exército, Escola de Guerra e Escola Militar (1790 a 1940), liv. 7, fl. 101, mç. 20, proc. 1780. António Duarte e Silva.

Arquivo Histórico Militar. Processos de alunos das Escolas Militares. Cx. 20. Proc. 1780. Processo de António Duarte e Silva. Atestado passado por Fernando de Magalhães Vilas Boas, secretário interino da Escola Politécnica de Lisboa. Lisboa, 17 de Outubro de 1866.

Arquivo Histórico Militar. Processos de alunos das Escolas Militares. Cx. 20. Proc. 1780. Processo de António Duarte e Silva. Documento n.º 1.

Arquivo Histórico Militar. Processos de alunos das Escolas Militares. Cx. 20. Proc. 1780. Processo de António Duarte e Silva. Requerimento de António Duarte e Silva. Lisboa, 6 de Dezembro de 1868.

Arquivo Histórico Militar. Processos Individuais. Cx. 1207. Proc. 2. Processo de António Duarte Silva. Abaixo assinado por António Duarte Silva. Estremoz, 2 de Janeiro de 1896.

Arquivo Histórico Militar. Processos Individuais. Cx. 1207. Proc. 2. Processo de António Duarte Silva. Folha de matricula do Coronel Antonio Duarte Silva.

Arquivo Histórico Militar. Processos Individuais. Cx. 1207. Proc. 2. Processo de António Duarte Silva. Nota dos assentos que tem no livro de matricula e no registo disciplinar o official abaixo mencionado.

Arquivo Histórico Militar. Processos Individuais. Cx. 1207. Proc. 2. Processo de António Duarte Silva. Ofício da Secretaria de Estado dos Negócios da Marinha e Ultramar ao Director Geral do Ministério da Guerra. Lisboa, 10 de Dezembro de 1898.

Arquivo Histórico Militar. Processos Individuais. Cx. 1207. Proc. 2. Processo de António Duarte Silva. Ofício n.º 756 do Chefe da 1.ª Repartição de Serviços do Estado Maior, Instrucção e Justiça ao Director de Cavalaria. Lisboa, 20 de Abril de 190[8].

Arquivo Histórico Militar. Processos Individuais. Cx. 1207. Proc. 2. Processo de António Duarte Silva. Ordem do Exército, II Série, n.º 4, 7 de Fevereiro de 1912.

Arquivo Histórico Militar. Processos Individuais. Cx. 1207. Proc. 2. Processo de António Duarte Silva. Relatório da Junta Hospital de Inspecção. Lisboa, 14 de Dezembro de 1908.

Arquivo Histórico Militar. Processos Individuais. Cx. 1207. Proc. 2. Processo de António Duarte Silva. Tirocinio para o posto de General de Brigada. Relatorio da visita feita á Escola pratica de Cavalaria pelo Comandante de Cavalaria n.º 10 António Duarte e Silva.

Arquivo Histórico Militar. Processos Individuais. Cx. 1207. Proc. 2. Processo de António Duarte Silva. Nota dos assentos que tem no livro de matricula e no registo disciplinar o official abaixo mencionado. Numero de matricula 76.

Arquivo Histórico Ultramarino. 762,1. 1D. MU. Cx. 1876-1931. Processos Individuais. ANG. António Duarte Silva. Proposta. Lisboa, 8 de Novembro de 1876.

Arquivo Histórico Ultramarino. 870. Cod. Dep. 1L. SEMU. Cx. 1877-1900. Obras públicas. Angola. Mapas de Pessoal. Caminho de Ferro d'Ambaca. Relação do pessoal e respectivos vencimentos e addiantamentos. Lisboa, 19 de Novembro de 1876.

Boletim Militar do Ultramar n.º 5, 2 de Maio de 1894, Diário do Governo, no. 100, 5 de Maio de 1894, 1139.

Contrato, 30 de Abril de 1877, Diário do Governo, no. 95, 29 de Abril de 1878, 1049.

"Inauguração das Obras do Caminho de Ferro de Loanda a Ambaca". Occidente. Revista Ilustrada de Portugal e do Estrangeiro 9, no. 288 (21 Dezembro, 1886): 283.

Relação dos candidatos a alumnos pensionistas do estado a que se refere este annuncio, Diário do Governo, no. 211, 19 de Setembro de 1896, 2585.

Relações dos candidatos que podem ser admittidos no Real Collegio Militar, 6 de Setembro de 1901, Diário do Governo, no. 200, 7 de Setembro de 1901, 2414.

Bibliografia

Ribeiro, Manuel Ferreira. "Relação do pessoal technico das obras publicas em 1879". Em As Conferencias e o Itinerario do viajante Serpa Pinto atravez das terras da Africa Austral nos limites das provincias de Angola e Moçambique. Junho a Dezembro de 1878. Estudo critico e documentado contendo duas cartas geographicas por Manuel Ferreira Ribeiro, 761-765. Lisboa: Typographia Nova Minerva, 1879.

Autor(es) do artigo

João de Almeida Barata

https://orcid.org/0000-0001-9048-0447

Financiamento

Fundos nacionais através da FCT – Fundação para a Ciência e a Tecnologia, I.P., no âmbito do projeto TechNetEMPIRE | Redes técnico-científicas na formação do ambiente construído no Império português (1647-1871) PTDC/ART-DAQ/31959/2017

DOI

Citar este artigo

Almeida Barata, João de. "António Duarte e Silva", in eViterbo. Lisboa: CHAM - Centro de Humanidades, FCSH, Universidade Nova de Lisboa, 2022. (última modificação: 03/06/2024). Consultado a 25 de junho de 2024, em https://eviterbo.fcsh.unl.pt/wiki/Ant%C3%B3nio_Duarte_e_Silva. DOI: []