Henrique João Wilkens

From eViterbo
Jump to navigation Jump to search


Henrique João Wilkens
Nome completo Henrique João Wilkens
Outras Grafias valor desconhecido
Pai valor desconhecido
Mãe valor desconhecido
Cônjuge Inês Aranha
Filho(s) José Joaquim Wilkens, José Joaquim Wilkens, Joana
Irmão(s) valor desconhecido
Nascimento 1736
Morte 2 outubro 1802
Mato Grosso, Brasil
Sexo Masculino
Religião Cristã
Residência
Residência Belém, Pará, Brasil
Data Início: 1753
Fim: 1759

Residência Macapá, Amapá, Brasil
Data Início: 1762
Fim: 1777

Residência Amazonas, Brasil
Data Início: 1781
Fim: 1788
Formação
Formação Engenharia Militar
Data Início: 1753
Fim: 1755
Local de Formação Belém, Pará, Brasil
Postos
Posto Soldado
Data Início: 1753
Fim: 1755
Arma Infantaria

Posto Ajudante
Data Início: 1755
Fim: 1764
Arma Infantaria

Posto Capitão
Data Início: 1764
Fim: 1780
Arma Infantaria
Actividade
Actividade Levantamento do território
Data Início: 1753
Fim: 1753
Local de Actividade Marajó, Pará, Brasil

Actividade Desenho cartográfico
Data Início: 1754
Fim: 1754
Local de Actividade Rio Negro, Amazônia

Actividade Acompanhamento de obra
Data Início: 1762
Fim: 1777
Local de Actividade Macapá, Amapá, Brasil

Actividade Desenho de fortificação
Data Início: 1762
Fim: 1777
Local de Actividade Macapá, Amapá, Brasil

Actividade Demarcação de fronteira
Data Início: 1780
Fim: 1800
Local de Actividade Rio Negro, Amazônia


Biografia

Dados biográficos

Henrique João Wilkens nasceu em 1736. As indicações bibliográficas divergem quanto à sua nacionalidade, que poderia ser inglesa ou portuguesa. Sousa Viterbo supôs que fosse inglês, pois, seguramente, "falava, lia e escrevia neste idioma"[1]. Mas, Francisco Xavier de Mendonça Furtado diz, em uma carta, que ele era "nascido e criado em Portugal"[2]. Faleceu a 2 de outubro de 1802 em Mato Grosso, Brasil.

Em 1753, integrou a comitiva que foi para o Grão Pará, acompanhando o Governador e Plenipotenciário das Demarcações, Francisco Xavier de Mendonça Furtado, irmão de Sebastião de Carvalho e Melo, então, Conde de Oeiras e futuro Marquês de Pombal. Em 9 de março de 1754, numa carta endereçada ao irmão, Mendonça Furtado refere a um rapaz, enteado do boticário da rainha-mãe que o governador tinha feito assentar praça como soldado. O qual, como tinha noções de geometria, foi entregue ao matemático e astrónomo Pe. Inácio Smartoni para ser educado na engenharia, e que este pedia agora o posto de ajudante engenheiro, pelo que encaminhava ao rei este pedido[2]. Em 7 de setembro de 1755, refere, novamente, na correspondência com o irmão, a uma carta datada de 15 de março do mesmo ano em que se lhe ordena passar patente de ajudante engenheiro a Wilkens, que é identificado como o protegido da rainha-mãe[2].

No período entre 1753 e 1802, Henrique Wilkens residiu na Amazónia realizando vários trabalhos relativos às demarcações de limites e outros. Casou-se com Inês Aranha, natural do Pará. Em 1779, faz um pedido para ir à corte[3], justificando essa circunstância com um acidente que o havia deixado cego do olho esquerdo, bem como com e os problemas de saúde da sua mulher, que o deveria acompanhar na viagem. A autorização é concedida, mas a viagem, provavelmente, não se realizou, pois, em documento datado de 10 de Agosto de 1800, volta a pedir para ir a corte acompanhado de algum filho ou neto. Refere, nesta circunstância, a sua numerosa família. Contudo, o seu único filho conhecido é José Joaquim Wilkens, que também seguiu carreira como militar no Pará. Sabe-se ainda que uma filha de Wilkens, chamada Joana, casou-se com Severino Eusébio de Matos, que foi diretor da Vila de Barcelos, e que ambos são os pais de João Henrique de Matos, nascido em 1784, que vira a ser coronel e importante político do século XIX no Estado do Amazonas. Henrique João Wilkens morreu a 2 de outubro de 1802, na cachoeira do Salto, no rio Madeira, para onde tinha sido enviado para o estabelecimento de uma nova povoação.

Carreira

Começou por servir no estado do Grão-Pará como soldado em 1753, e completou a sua formação em Belém, no Colégio Jesuíta de Santo Alexandre, sob a tutela do Padre Inácio Smartoni. Ainda em 1753, Wilkens refere ter sido "empregado no conhecimento de toda a costa do Marajó, com os mais engenheiros, nas observações astronómicas com o Pe. Smartoni, nesta cidade e em Colares, nas mesmas observações em Macapá, na configuração do mapa do Amazonas, em primeiro uso que se fez do outante Hadleiano, para o dito fim"[4]. Em 1754, foi para o arraial de Mariuá e enviado em missão ao Rio Negro, juntamente com António José Landi. Nesta ocasião, diz que construiu e formalizou o primeiro mapa desde o arraial - futura vila de Barcelos - até às cachoeiras, até então desconhecidas. Afirmava ainda ter participado nas observações astronómicas feitas no rio Madeira e no rio Solimões com o astrónomo João Angelo Brunelli[4].

Recebeu a patente de ajudante de infantaria com exercício de engenheiro em 1755. Pela mesma altura, Mendonça Furtado cogita integrá-lo na equipe de demarcação do Mato Grosso, juntamente o Pe. Smartoni, com quem Wilkens residiu até às vésperas da expulsão dos jesuítas do Grão Pará em 1759. Em 1756, Henrique Wilkens foi enviado por Mendonça Furtado à aldeia dos Abacaxis - futura vila de Borba -, no rio Madeira, onde terá realizado as observações astronómicas que refere. A partir de 1762, encontrou-se envolvido na fortificação de Macapá, tendo participado na primeira fortificação de campanha, e depois na construção da praça e fortificação regular. segundo o projeto do sargento mor Henrique António Galluzzi.

Em 14 de agosto de 1764, foi promovido a capitão de infantaria com exercício de engenheiro, com soldo dobrado[1] e, em 1769, depois da morte de Galluzzi, Wilkens assumiu a direção da obra da fortaleza de Macapá, de que consta uma série de relatórios seus à guarda do Arquivo Histórico Ultramarino.

Em 11 de agosto de 1780, foi nomeado segundo comissário para as demarcações do Rio Negro e recebeu a patente de sargento-mor de artilharia com exercício de engenheiro[1]. De 23 de fevereiro a 19 de junho do ano seguinte comandou a viagem ao rio Japurá, escrevendo o seu diário[4]. Em 1785, Wilkens estava em Ega (hoje designado por Tefé), ponto de encontro das comitivas portuguesa e espanhola. No mesmo período, procedeu-se à conversão dos índios Mura, no lago Amaná, no rio Japurá. Em função, Wilkens escreve, neste ano, o poema Muhuraida, ou o Triunfo da Fé[5]. É encarregado pelo Governador João Pereira Caldas de cuidar da fortificação do Rio Negro e escreve, a pedido do Primeiro Comissário das Demarcações João Batista Mardel, um plano de defesa para aquela região que consiste na manutenção de um exército armado na linha da fronteira.

Em 1786, Wilkens chegou ao quartel espanhol de Mainas e, no ano seguinte, foi encarregado de organizar a expedição de reconhecimento dos rios Javari e Juruá[6]. Dois anos depois, sob encargo de Pereira Caldas, organizou o recenseamento dos estabelecimentos dos índios Mura e recepcionou, em Ega, o bispo do Pará Frei D. Caetano Brandão, na sua visita pastoral. Neste período, Henrique Wilkens a relação com o governador Gama Lobo de Almada deteriora-se por discordar da política do último relativamente aos espanhóis[7].

Mais tarde, em 1799, foi candidato à sucessão de Lobo de Almada no governo da capitania do Rio Negro, mas foi preterido pelo tenente José António Salgado. Em 1800, escreve uma longa carta em tom auto biográfico pedindo para ir à corte, acompanhado de algum filho ou neto, "para representar a sua justiça e razão aos pés de Sua Alteza Real"[4]. Elabora neste ano um parecer sobre as comunicações entre as povoações do rio Negro e do Solimões.

A 26 de setembro de 1794, foi feito tenente-coronel com exercício de engenheiro no Real Corpo de Engenheiros[1].

Outras informações

Obras

No Arquivo Histórico do Exército, no Rio de Janeiro, consta um álbum que contém cópias de plantas de sua autoria: Coleção Relativa à Fortaleza de Macapá – Doze mapas coloridos, cópias de outros desenhos de diversos autores e datas (incluindo Henrique João Wilkens e Francisco José da Costa Roxa e Mendonça), em papel canson, em bom estado, medindo 56cm x 33,5cm. Alguns desenhos executados pelo cadete João Henrique de Matos e outros por Ignácio António da Silva, 2º Tenente de Artilharia. (c. 1805)[8].

O poema escrito em 1785 foi publicado em forma de livro em 1993: Wilkens, Henrique João. Muhuraida ou o Triunfo da Fé. Rio de Janeiro e Manaus: Biblioteca Nacional / UFAM / Governo do Estado do Amazonas, 1993.

Notas

  1. 1,0 1,1 1,2 1,3 Viterbo, Diccionario Historico e Documental dos Architectos, 3:196-197.
  2. 2,0 2,1 2,2 Mendonça, A Amazonia Na Era Pombalina, 2:535; 712; 745.
  3. Arquivo Histórico Ultramarino_ACL_CU_013, cx.84, d.6885. Consulta do Conselho Ultramarino sobre o requerimento do capitão de Infantaria com exercício de engenheiro Henrique João Wilkens solicitando licença para ir a corte. 14 de Dezembro de 1779.
  4. 4,0 4,1 4,2 4,3 Amoroso e Farage, Relatos Da Fronteira Amazônica No Século XVIII, 65.
  5. Wilkens, Muhuraida ou o Triunfo da Fé.
  6. Arquivo Histórico Ultramarino, ACL_CU_020, cx.13, d. 477. 30 de Abril de 1787.
  7. Reis, Lobo d’Almada Um Estadista Colonial, 138-141.
  8. Arquivo Histórico do Exército (Brasil), AHE 06.30.2627.

Fontes

Arquivo do Conselho Ultramarino, Ofícios e Mercês, lv. 38, fl. 101. [Carta patente de Capitão de Infantaria com exercício de Engenheiro].

Arquivo Histórico do Exército (Brasil), AHE 06.30.2627.

Arquivo Histórico Ultramarino, ACL_CU_020, cx.13, d. 477. 30 de Abril de 1787.

Arquivo Histórico Ultramarino, ACL_CU_013, cx. 84, d. 6885. Consulta do Conselho Ultramarino sobre o requerimento do capitão de Infantaria com exercício de engenheiro Henrique João Wilkens solicitando licença para ir a corte. 14 de Dezembro de 1779.

Arquivo Nacional da Torre do Tombo, CHR D. Maria I, l. 6, fl. 75v.. [Nomeação como segundo comissário das Demarcações no Rio Negro e patente de Sargento Mor de Artilharia com exercício de Engenheiro].

Arquivo Nacional da Torre do Tombo, Decretos remetidos ao Conselho de Guerra, mç. 152, doc. 127. [Patente de Tenente Coronel com exercício no Real Corpo de Engenheiros].

Bibliografia

Amoroso, Marta Rosa, e Nádia Farage. Relatos Da Fronteira Amazônica No Século XVIII. Documentos de Henrique João Wilkens e Alexandre Rodrigues Ferreira. São Paulo: NHII-USP, 1994.

Mendonça, Marcos Carneiro de. A Amazonia Na Era Pombalina. 3. Vols. Rio de Janeiro: IHGB, 1963.

Moreira Neto, Carlos de Araújo. Henrique João Wilkens e os índios Mura. Rio de Janeiro: Anais da Biblioteca Nacional, 1989.

Reis, Artur César Ferreira. Lobo d’Almada Um Estadista Colonial. Manaus: [s ed.], 1940.

Viterbo, Francisco de Sousa. Diccionario Historico e Documental dos Architectos, Engenheiros e Construtores Portugueses ou a serviço de Portugal. Vol. 3. Lisboa: Tipografia da Academia Real das Ciências, 1922.

Wilkens, Henrique João. Muhuraida ou o Triunfo da Fé. Rio de Janeiro e Manaus: Biblioteca Nacional / UFAM / Governo do Estado do Amazonas, 1993.

Ligações Externas

Caldas, Yurgel Pantoja. "Eles são muitos e incontáveis: estratégias coloniais e migratórias dos índios Mura contra o processo pombalino para o domínio amazônico, a partir de Muhuraida, de Henrique João Wilkens". Novos Cadernos NAEA 13, no. 1 (2010): 171-198.

Caldas, Yurgel Pantoja. "O Triunfo da Fé no Poema Muhuraida de Henrique João Wilkens". Anais do SETA, no. 1 (2007): 525-530.

Costa, Verónica Prudente. "Muraida. A tradição literária de viagens em questão". Tese de Doutoramento, Universidade Federal do Rio de Janeiro, 2013.

Faria, M. F.. "Ingegneria militare nel Brasile settecentesco: cartografia, urbanismo e fortificazione". Em La costruzione di uno nuovo mondo: territorio, cità, architectura tra Europa e America Latina dal XVI al XVIII secolo, edição por G. R. del Brenna, 201-226. Genova: Sagep Editrice, 1994.

Góis, Sales Marciel. "Henrique João Wilkens: um poeta pioneiro no Amazonas". Mundo Amazonico 4, (2013): 183-197.

Autor(es) do artigo

Renata Araújo

CHAM - Centro de Humanidades, FCSH, Universidade Nova de Lisboa e Universidade do Algarve

https://orcid.org/0000-0002-7249-1078

Financiamento

Fundos nacionais através da FCT – Fundação para a Ciência e a Tecnologia, I.P., no âmbito do projeto TechNetEMPIRE | Redes técnico-científicas na formação do ambiente construído no Império português (1647-1871) PTDC/ART-DAQ/31959/2017

DOI

https://doi.org/10.34619/ezqf-tsym

Citar este artigo

Araujo, Renata. "Henrique João Wilkens", in eViterbo. Lisboa: CHAM - Centro de Humanidades, FCSH, Universidade Nova de Lisboa, 2022. (última modificação: 24/07/2023). Consultado a 18 de abril de 2024, em https://eviterbo.fcsh.unl.pt/wiki/Henrique_Jo%C3%A3o_Wilkens. DOI: https://doi.org/10.34619/ezqf-tsym