Francisco de Lacerda e Almeida

From eViterbo
Jump to navigation Jump to search


Francisco de Lacerda e Almeida
Nome completo Francisco José de Lacerda e Almeida
Outras Grafias Francisco José de Lacerda e Albuquerque
Pai José de Lacerda e Almeida
Mãe Francisca de Almeida Pais
Cônjuge valor desconhecido
Filho(s) valor desconhecido
Irmão(s) José Anastácio da Luz e Lacerda
Nascimento 22 agosto 1753
São Paulo, São Paulo, Brasil
Morte 18 outubro 1798
Cazembe, Congo
Sexo Masculino
Religião valor desconhecido
Formação
Formação Matemática
Instituição de Formação Universidade de Coimbra
Cargos
Cargo Professor
Data Início: 28 de março de 1791

Cargo Capitão

Cargo Governador
Actividade
Actividade Demarcação de fronteira
Local de Actividade Brasil

Actividade Expedição
Local de Actividade Rio Paraguai, Bacia Platina


Biografia

Dados biográficos

Francisco José Lacerda e Almeida nasceu a 22 de Agosto de 1753 em São Paulo, no Brasil. Era filho do capitão português José António de Lacerda e de D. Francisca de Almeida Pais, luso-brasileira e natural de Itu. Matriculou-se na Universidade de Coimbra em, onde fez os cursos de Matemática e de Filosofia, sendo que com vinte e quatro anos, em 1777, recebeu o grau de doutor em Matemática pela mesma universidade.

Carreira

Depois de concluídos estudos em Coimbra, chega a Mato Grosso a 28 de fevereiro de 1782.

Em 1786 explora o Rio Paraguai e lagos afluentes[1].

É nomeado membro da Terceira Comissão de Limites para demarcação da fronteira entre o Brasil e os territórios espanhóis na América do Sul, empreendida na sequência do Tratado de Santo Ildefonso (1777). A comissão, sob as ordens do Governador de Mato Grosso, Luís de Albuquerque de Mello Pereira e Caceres, foi organizada pelo o comissário-geral General Pereira Caldas, participando ainda os engenheiros Joaquim José Ferreira e Ricardo Franco de Almeida Serra e o astrónomo António Pires da Silva Pontes Leme, além do próprio Francisco José de Lacerda e Almeida. A viagem tem início em Vila Bela, a 13 de setembro de 1788, passado pelos rios Cuiabá, São Lourenço (Porrudos) e Paraguai. Percorre o Rio Negro até Marabitanas, e posteriormente os Rios Amazonas e Madeira.

Regressa a São Paulo em 1789.

Em 1790 regressa a Lisboa onde é eleito membro da Academia Real de Ciências.

Por decreto de 28 de março de 1791 foi nomeado lente de matemática para a Academia Real dos Guardas-Marinhas com o vencimento de 400000 réis anuais pagos pelo Arsenal da Marinha[2].

Cavaleiro da Ordem de Cristo

Capitão de Fragata

Governador do Rio de Sena (1797)

Outras informações

Obras

No Arquivo Histórco do Exército, no Rio de Janeiro, constam os seguintes mapas de sua autoria:

Mapa do Leito dos Rios Taquari, Coxim, Camapuam, Varador de Camapuam, Pardo, Paraná, Tiete e Caminho de Terra desde a Freguesia de N. S. dos Homens de Araraytaguaba até a Cidade de São Paulo. Autor: Astrônomo Francisco José de Lacerda e Almeida, 1777. Copiado pelo Cap. Antônio Pedro Lecor em 1857, colorido, nanquim, tinta colorida, aquarela, com nota explicativa, papel canson telado, 102cm x 35cm[3].

Mapa do Leito dos Rios Taquari, Coxim, Camapuam, Varador de Camapuam, Pardo, Paraná, Tiete e Caminho de Terra desde a Freguesia de Araraytaguaba até a Cidade de São Paulo. Autor: Astrônomo Francisco José de Lacerda e Almeida, 1788-89. Colorido, nanquim, tinta colorida, aquarela, com legenda, papel canson, 57,5cm x 207cm[4].

Plano geográfico da parte do Rio Negro desde  a Villa de Barcelos até a Serra de Cucui, e da boca do rio Uaupés até a 1ª cachoeira, levantado em 1781 pelo Astrônomo Lacerda e pelo Capitão Engenheiro Joaquim José Ferreira, colorido, nanquim, tinta colorida, aquarela, com nota explicativa, escala em léguas, papel canson telado, 113cm x 47,5cm[5].

Planta do Rio Tiété ou Anembý na Capitania de S. Paulo.: desde a cidade do mesmo nome até á sua confluencia com o Rio Grande, ou Rio Paraná [Cartográfico]. Autor: Francisco José de Lacerda e Almeida, 1788-1789. tinta ferrogálica, aquarela ; 46cm x 227,5cm.

Plano geográfico da parte do rio Negro desde a villa de Barcelos até a serra de Cucui, e da boca do rio Uaupés até a 1ª cachoeira levantado por ordem de Illmo e Exmo Snr João Pereira Caldas Governador e capitão General nomedo das capitanias de Mato Grosso e Cuiabá e Comissário Geral das Demarcações  de Limites na parte do Norte. Francisco José de Lacerda Dr em Matemática e  Joaquim José Ferreira  Capitão Engenheiro. copiado pelo Cap Tito Antonio da França Amaral em 1888, colorido, nanquim, tinta colorida, aquarela, com nota explicativa, escala em léguas, papel tecido, bom estado, medindo 112cm x 52,5cm[6].

Outros trabalhos:

Notas

  1. Viterbo, Diccionario Histórico e Documental dos Architectos, Engenheiros e Construtores Portugueses ou a serviço de Portugal, Vol III, 345.
  2. Decretos remetidos ao Conselho de Guerra: maço 149, número 47 (apud Viterbo III 1922, 345)
  3. Arquivo Histórico do Exército - Brasil (AHEx). Cota: AHE 05.03.2890
  4. Arquivo Histórico do Exército - Brasil (AHEx). Cota: AHE 23 e 24.3007
  5. Arquivo Histórico do Exército - Brasil (AHEx). Cota: AHE 04.20.2144
  6. Arquivo Histórico do Exército - Brasil (AHEx). Cota: AHE 23.01.2145

Fontes

Lacerda e Almeida, Francisco José. Diário da Viagem (do Dr. Francisco José de Lacerda e Almeida pelas capitanias do Pará, Rio Negro, Matto-Grosso, Cuyabá, e S. Paulo nos annos de 1780 a 1790). São Paulo: Tipografia de Costa Silveira, 1841.

ESTATUTOS da Universidade de Coimbra, (Vol 3). Coimbra: [s.n.], 1772.

Arquivo Histórico do Exército - Brasil (AHEx)

Bibliografia

Boléo, José De Oliveira. A viagem do Dr. Lacerda e Almeida (reconstituição do Itinerário). Lisboa: [s.n.], 1938.

Carvalho, Rómulo de. A Astronomia em Portugal no Século XVIII. Lisboa: Instituto de Cultura e Língua Portuguesa, 1985.

Goycochêa, Castilhos. Fronteira e Fronteiros. São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Recife, Baía, Porto Alegre: Companhia Editora Nacional, 1943.

Holanda, Sérgio Buarque. (Ed.) Diários da Viagem de Francisco José de Lacerda e Almeida. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, 1944.

Junior, Osmar Piazzi. “A vida e os Diários de Francisco José de Lacerda e Almeida”. Monography, Instituto de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade Estadual de Campinas, 2015.

Martins, Luísa Fernanda Guerreiro. “Francisco José de Lacerda e Almeida: travessias científicas e povos da África Central, 1797-1884”. Master Diss., Universidade de Lisboa, 1997.

Mendonça, Marcos Carneiro de. Rios Guaporé e Paraguai Primeiras Fronteira Definitivas do Brasil. Rio de Janeiro: Xerox do Brasil, 1985.

Moraes, Milena Borges. "Estudo semântico-lexical do códice oitocentista Memoria sobre o plano de Guerra Offensiva e Deffensiva da Capitania de Matto Grosso." Postgraduate Diss., Universidade de São Paulo, 2016.

Múrias, Manuel. Travessia da África (pelo Dr. Lacerda e Almeida). Lisboa: Agência Geral das Colónias, 1936.

Pereira, Magnus Roberto de Mello; Ribas, André Akamine. Francisco José de Lacerda e Almeida – Um astrônomo paulista no sertão africano. Curitiba: Editora Universidade Federal do Paraná, 2012.

Taquelim, Mara. “Desenhando em Viagem (os cadernos de África de Roberto Ivens)”. Master Diss., Faculdade de Belas Artes da Universidade de Lisboa, 2008.

Vieira, Carla da Costa. “Os portugueses e a travessia do continente africano: projectos e viagens (1755-1814)”. Master Diss., Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, 2006.

Viterbo, Francisco de Sousa. Diccionario Histórico e Documental dos Architectos, Engenheiros e Construtores Portugueses ou a serviço de Portugal, Vol III. Lisboa: Tipografia da Academia Real das Ciências, 1922.


Ligações Externas

Francisco José de Lacerda e Almeida In Wikipédia.

Francisco José de Lacerda e Almeida In CIUHCT.

A Ilustração em Portugal e no Brasil (Plataforma Online).

Corumbá em HPIP

Autor(es) do artigo

Maria Elfrida Ralha

Universidade do Minho

http://orcid.org/0000-0002-1524-3975

Financiamento

Fundos nacionais através da FCT – Fundação para a Ciência e a Tecnologia, I.P., no âmbito do projeto TechNetEMPIRE | Redes técnico-científicas na formação do ambiente construído no Império português (1647-1871) PTDC/ART-DAQ/31959/2017

DOI

Citar este artigo