Frederico Augusto Torres

From eViterbo
Jump to navigation Jump to search


Frederico Augusto Torres
Nome completo Frederico Augusto Torres
Outras Grafias valor desconhecido
Pai António José Torres
Mãe Maria Josefa Gomes Torres
Cônjuge Maria Isabel James de Oliveira Torres
Filho(s) Alberto Frederico Torres, Bella James de Oliveira Torres, Pepa James de Oliveira Torres, Virgínia James de Oliveira Torre
Irmão(s) valor desconhecido
Nascimento 17 julho 1837
Lisboa, Portugal
Morte 7 setembro 1903
Cabo Verde
Sexo Masculino
Religião Cristã
Formação
Formação Engenharia Militar
Data Início: 1853
Fim: 1857
Local de Formação Lisboa, Portugal
Postos
Posto Coronel
Data Início: 1885
Fim: 1902
Arma Cavalaria
Cargos
Cargo Director
Data Início: 1881
Fim: 1900


Biografia

Dados biográficos

Frederico Augusto Torres nasceu no concelho de Lisboa em 17 de julho de 1837, filho de António José Torres e de Maria Josefa Gomes Torres. Foi casado com Maria Isabel Gomes de Oliveira Torres. É pai de Alberto Frederico Gomes de Oliveira Torres. Faleceu na Ilha de São Nicolau a 7 de setembro de 1903.

Em 17 de agosto de 1853 ingressou como voluntário no curso de Cavalaria da Escola do Exército, no Regimento da Cavalaria n.º 2 de lanceiros, como 1º Sargento Aspirante. Serviu até 17 de agosto de 1857, data em que foi promovido a alferes graduado. Fez a escola preparatória secundária no Colégio Militar em Lisboa[1].

Carreira

Em agosto de 1857 foi promovido por decreto a alferes graduado e foi destacado para servir uma comissão no Ministério das Obras Públicas. Em 29 de março de 1870, foi promovido a tenente. Em 18 de julho do mesmo ano foi exonerado das funções no Ministério das Obras Públicas e regressou ao Ministério da Guerra. Por portaria de 18 de julho de 1870 foi nomeado para exercer provisoriamente a regência da cadeira de desenho linear, arquitetura e topografia teórica e prática no Colégio Militar. Em novembro de 1870 foi nomeado professor de desenho de arquitetura, perspetiva e topografia no mesmo colégio. Em 6 de agosto de 1873, foi promovido a capitão, continuando na comissão em que se achava. Em outubro do mesmo ano foi exonerado das funções que ocupava no Colégio Militar, ficando em disponibilidade. Em agosto de 1874 passou ao Regimento de Cavalaria n.º 5 do Exército, depois, em outubro do mesmo ano, passou ao Regimento de Lanceiros Victor Manuel em setembro, mais tarde, no mesmo mês e ano passou ao Regimento da Cavalaria n.º 2 de Lanceiros da Rainha.

Em janeiro de 1877, foi promovido a major, e nomeado engenheiro ajudante para a expedição destinada desenvolver estudos do caminho de ferro Luanda – Ambaca[2], onde viria a desembarcar em maio do mesmo ano[3]. Em junho de 1880, regressou à metrópole após ter completado a comissão. Em agosto, passou a servir na Junta da Divisão do Distrito de Lisboa e em novembro de 1881, passou para a Comissão Distrital.

Em novembro de 1881, foi destacado para exercer interinamente o lugar de diretor da Direcção das Obras Públicas de Cabo Verde. Em dezembro de 1881, foi promovido a tenente coronel e em 16 de novembro do mesmo ano desembarcou em Cabo Verde. Em 1885, por decreto de 2 de setembro foi promovido a coronel[4]. Foi promovido a General de Brigada Graduado a 23 de dezembro de 1889. Em Cabo verde como diretor das Obras Públicas viajou por todo o arquipélago inspeccionando as diversas obras que ali decorriam. Sabe-se que se se encontrava em Cabo Verde em 1902[5], tendo sido exonerado das suas funções a 6 de fevereiro de 1902.

Outras informações

Recebeu a condecoração do Cavaleiro da Ordem Militar de São Bento de Avis a 2 de outubro de 1873; Comendador de São Bento de Avis e de Isabel a Católica; Medalha Militar de Ouro da Classe do Comportamento Exemplar em 20 de agosto de 1899.

Notas

  1. Arquivo Histórico Militar, Lista dos Alunos das Escolas Militares - Academia de Fortificação, Escola do Exército, Escola de Guerra e Escola Militar (1790 a 1940), Frederico Augusto Torres, registo livro nº5, folha nº8, processo mç. nº14, processo nº1376.
  2. Arquivo Histórico Ultramarino. Angola, 1L. Obras Públicas, Caixa 870, 1877-1900.
  3. Arquivo Histórico Ultramarino. Angola, 1L. Obras Públicas - Processos Individuais - letras: F. Caixa 867/2, 1876-1881
  4. Arquivo Histórico Ultramarino. Cabo Verde, Obras Públicas e Agrimensura, Processos Individuais. Cota: PT/AHU/ID-OP/OP14527 - 12/Cx240
  5. Arquivo Histórico Ultramarino, Cabo Verde, 1D. Obras Públicas - Processos Individuais - letras: F. Caixa 753/1, 1892-1917.

Fontes

Arquivo Histórico Ultramarino, N. Ordem 905 1N SEMU DGU, "Livro 1880-1892 Registo de Pessoal das Obras Públicas ULT", p. 1v, 2f.

Arquivo Histórico Ultramarino, Cabo Verde, 1D. Obras Públicas - Processos Individuais - letras: F. Caixa 753/1, 1892-1917.

Arquivo Histórico Ultramarino. Angola, 1L. Obras Públicas - Guias, Caixa 867/2, 1876-1881.

Arquivo Histórico Ultramarino. Angola, 1L. Obras Públicas, Caixa 870, 1877-1900.

Arquivo Histórico Militar, Lista dos Alunos das Escolas Militares - Academia de Fortificação, Escola do Exército, Escola de Guerra e Escola Militar (1790 a 1940).

Arquivo Histórico Ultramarino. Cabo Verde, Obras Públicas e Agrimensura, Processos Individuais. Cota: PT/AHU/ID-OP/OP14527 - 12/Cx240

Arquivo Histórico Nacional de Cabo Verde, SGG cx. 619, pasta 03, doc. 23

Arquivo Histórico Nacional de Cabo Verde, SGG cx. 619, pasta 03, doc. 75

Arquivo Histórico Nacional de Cabo Verde, SGG cx. 621, pasta 01, doc. 01

Arquivo Histórico Nacional de Cabo Verde, SGG cx. 622, pasta 01, doc. 111

Arquivo Histórico Nacional de Cabo Verde, SGG cx. 622, pasta 01, doc. 65

Arquivo Histórico Nacional de Cabo Verde, SGG cx. 622, pasta 01, doc. 38

Arquivo Histórico Nacional de Cabo Verde, SGG cx. 622, pasta 01, doc. 23

Arquivo Histórico Nacional de Cabo Verde, SGG cx. 632, pasta 07, doc. 01

Bibliografia

Diário do Governo n.º 28 de 6 de fevereiro de 1877

Diário do Governo n.º 290 de 20 de dezembro de 1884.

Diário do Governo n.º 215 de 25 de setembro de 1885.

Diário do Governo n.º 34 de 11 de fevereiro de 1893.

Diário do Governo n.º 15 de 20 de janeiro de 1897

Ligações Externas

Autor(es) do artigo

Fernando Pires

Financiamento

Fundos nacionais através da FCT – Fundação para a Ciência e a Tecnologia, I.P., no âmbito do projeto TechNetEMPIRE | Redes técnico-científicas na formação do ambiente construído no Império português (1647-1871) PTDC/ART-DAQ/31959/2017

DOI

Citar este artigo