José Sanches

From eViterbo
Jump to navigation Jump to search


José Sanches
Nome completo José Sanches da Silva
Outras Grafias valor desconhecido
Pai valor desconhecido
Mãe valor desconhecido
Cônjuge valor desconhecido
Filho(s) valor desconhecido
Irmão(s) valor desconhecido
Nascimento 1688
Lisboa, Lisboa, Portugal
Morte valor desconhecido
Sexo Masculino
Religião valor desconhecido
Formação
Data Início: 1706

Formação Matemática
Data Fim: 1716
Local de Formação Colégio de Santo Antão-o-Novo, Lisboa,-
Postos
Posto Capitão
Data Início: 1729
Arma Infantaria

Data Início: 1733
Arma Infantaria
Cargos
Cargo Professor
Data Início: 1728

Cargo Aprendiz
Data Início: 1729
Actividade
Actividade Autoria de texto
Local de Actividade Lisboa, Portugal


Biografia

Dados biográficos

José Sanches -, ou José Sanches da Silva, como Volkmar Machado o denomina - nasceu em Lisboa em 1688. Foi sargento-mor de infantaria e matemático, com exercício de engenheiro na corte de Lisboa. Realizou a sua formação na Academia Militar da Corte desde 1706, tendo estudado, simultaneamente, Matemática na Aula da Esfera do Colégio de Santo Antão em Lisboa. Nessa última instituição prestou exame com o trabalho Perspectiva Matemática Assombrada Aos Rayos Do Mais Brilhante Astro (1716). Um trabalho cuja abordagem da óptica e fundamentos da perspectiva se vincula aos conteúdos da lição de Inácio Vieira no mesmo Colégio. Desconhece-se até ao momento o local e data do seu falecimento.

Carreira

José Sanches da Silva foi examinado para tomar o lugar de Domingos Vieira, sem que se conheça a data exacta de tal substituição, sendo incumbido de “ensinar em Aula Pública os fogos artificiais, assim militares, para mar e terra, como festivos, a Arte de deitar bombas, Artilharia e outras matérias anexas a matemática[1].

Em 1724, o seu nome surge na listagem de discípulos da Academia Militar, sendo ao mesmo tempo associado à docência de Artilharia e Pirotecnia[2]. A partir de 1728, sabe-se que exerceu a função de lente de Artilharia e, segundo informação de carta patente de 1729, foi nomeado ao posto de capitão de infantaria. No ano seguinte, D. João V nomeou José Sanches para a praça de aprendiz de arquitectura dos Paços Reais de Lisboa, sucedendo a José Pinheiro. Recebia nessa função 20000 réis de ordenado pagos do almoxarifado da imposição dos vinhos. Por sua vez, foi sucedido nesse cargo a 23 de Outubro de 1749 por Elias Sebastião Pope[3].

Em 1733, foi promovido a sargento-mor de infantaria "com exercício de engenheiro e do fogo".

Outras informações

A obra Perspectiva Matemática (1716), correspondente a prova prestada por Sanches na Aula de Santo Antão, e, organiza uma seriação de problemas e conceitos na linha ideológica da Casa Professa. Logo de início é vinculado o valor epistemológico da matemática, (…) é entre todas as ciências a mais universal, necessária, & útil”[4], desenvolvendo-se, porém, sob o dogma da concepção geral do cosmos de acordo com a teoria geocêntrica.

A sua autonomia e domínio da matemática é expressa no Tratado matemático de trigonometria (c. de 1719); no seu Curso matemático (s.d.), que incluiria, entre os seus 14 tomos, matérias como os "elementos, geometria prática, arquitectura militar, óptica debruçando-se no último tomo na perspectiva e arquitectura civil, e neles varias curiozid(ad)es"; ou ainda nos Elementos de Euclides (1739) explorando os seis primeiros livros correspondentes à geometria plana. Os mesmos conteúdos foram vertidos à prática da artilharia na obra Artilheiro Portugues. De Ensinar a Artelharia, Bombas, Fogos Artificiais Petardos, Minas e Contraminas: deuedido em Dois Tomos (s.d.), e ainda na Obra Pyrothecnica ou Arte que se occupa em fabricas de fogos arteficiaes de mar e terra e festivos, deitar bombas, e da Artelharia (1734).

Embora o Tratado matemático de trigonometria (c.1719) não exponha novidades, revela um grande aprofundamento da matéria. O manuscrito contém o "Tractado da trigonometria esférica, Tractado mathematico dos probl. Geométricos, e Parte Única dos probl geométricos a [?] das L(inh)as, ang(ul)os e figuras", sendo particularmente relevante o "Tractado da geometria prática". Neste, Sanches da Silva explora o campo operativo da geometria prática[5], com base na etimologia do termo, partindo daí para patentear a organização do trabalho em 5 partes. Na 1ª parte relativa a "dos instrumentos úteis p(ar)a a geometria pratica" (f.411-531), expõe o domínio instrumental acumulado nas Aulas da Sphera e da Academia Militar explorando o pantometra em problemas de delineação de polígonos e levantamento militar, ao mesmo tempo que os cruza com conteúdos da trigonometria. Um dos pontos mais interessantes desta parte é o capítulo 3º, "Da construção e uso da regra proporcional" (f.422) em que “Por regra proporcional entendemos o instrom(en)to em forma de rectang(ul)o, em q se tem a escala, ou petipè dizimal, e as l(inh)as do pantometra. Assim é útil; porq se pode ter mais facilm(ent)e do q este, e também serem as operações feitas por ela mais ajustadas, do q pelo panthometra porq o exo deste com o uso se pode alargar, não saindo por estas cousa m(uit)o sertã a operação, o q na regra proporcional se não pode achar”[6].

Obras

Sanches Silva, José. Elementos de Euclides ou Tractado de Geometria Elementar Ditado por Jose Sanches da S[ilv]a Sarg[en]to Mor de Infantaria e Lente na Aula Regia Das Fortificaçoens Desta Cid[ad]e de L[i]x[bo]a 1739. Manuscrito. Biblioteca Nacional de Portugal, Códice 5194//2.

Sanches Silva, José. Perspectiva matemática assombrada aos raios do mais brilhante astro. Évora: officina da Universidade, 1716.

Sanches Silva, José. Tratado matemático de trigonometria. c. 1719. Manuscrito. Arquivo Nacional da Torre do Tombo, PT/TT/MSLIV/2016.

Sanches Silva, José. Curso matemático. Manuscrito. Arquivo Nacional da Torre do Tombo, PT/TT/MSLIV/2188.

Sanches Silva, José. Artilheiro Portugues. De Ensinar a Artelharia, Bombas, Fogos Artificiais Petardos, Minas e Contraminas: Deuedido em Dois Tomos. Manuscrito. Biblioteca Nacional de Portugal, Códice 4074-4075.

Sanches Silva, José. Obra Pyrothecnica ou Arte que se occupa em fabricas de fogos arteficiaes de mar e terra e festivos, deitar bombas, e da Artelharia / Que ditou o sargento mor Joze Sanches da Silva, sargento mor Enginheiro Lente da Academia Melitar da Corte no anno de 1734. Manuscrito. Biblioteca Nacional de Portugal, Códice 5185.

Abreu, José Rodrigues de, Brito, João Machado de, Campos, Manuel, Gião, Jorge da Mata, Mardel, Carlos and Sanches Silva, José. Pareceres Sobre a Materia de Que se Devem Fazer os Canos do Aqueducto Das Aguas Livres Desde o Rato Até S. Pedro De Alcantara. Lisboa: [s. ed.], 1747.

Notas

  1. Arquivo Nacional da Torre do Tombo. Chancelaria D. João V, liv. 75, fol. 334v.. A situação foi explorada em Ribeiro, “A formação dos engenheiros militares: Azevedo Fortes”, a partir do documento Consulta do Conselho de Guerra, de 23 de dezembro de 1732. Também disponível em Arquivo Nacional da Torre do Tombo, maço 91B.
  2. Ribeiro, “A formação dos engenheiros militares: Azevedo Fortes", 71.
  3. Viterbo, Diccionario Historico e Documental dos Architectos, 3:9.
  4. Sanches Silva, Perspectiva matemática assombrada aos raios do mais brilhante astro, 1.
  5. He a geometria pratica conforme a etimologia do nome hua sciencia, q trata da medida da terra; porq este nome geometria he grego, q se compõem de duas lições a saber geo, q significa a terra, e metria, q qr dizer medida.” Arquivo Nacional da Torre do Tombo, PT/TT/MSLIV/2016, f.410. José Sanches Silva, Tratado matemático de trigonometria, manuscrito. c. de 1719.
  6. Arquivo Nacional da Torre do Tombo. PT/TT/MSLIV/2016, f.410-531. José Sanches Silva, Tratado matemático de trigonometria. Manuscrito. c. de 1719.

Fontes

Arquivo Nacional da Torre do Tombo. Chancelaria D. João V, liv. 75, fol. 334v..

Arquivo Nacional da Torre do Tombo. PT/TT/MSLIV/2016, f.410-531. José Sanches Silva, Tratado matemático de trigonometria. Manuscrito. c. de 1719.

Barbosa Machado, Diogo. Bibliotheca Lusitana Historica, Critica, e ChronoIogica, Na qual se Comprehende a noticia dos Authores Portuguezes, e das Obras, que compozeraõ desde o tempo da promulgação da Ley da Graça até o tempo presente. T. 2. Lisboa: Ignacio Rodrigues, 1747.

Bibliografia

Cabeleira, João. “Arquitecturas Imaginárias. Espaço real e ilusório no Barroco português”. Tese de Doutoramento, Universidade do Minho, 2015.

Ribeiro, Dulcyene Maria. “A formação dos engenheiros militares: Azevedo Fortes, Matemática e ensino da Engenharia Militar no século XVIII em Portugal e no Brasil”. Tese de Doutoramento, Faculdade de educação da Universidade de São Paulo, 2009. 

Sepúlveda. Cristóvão Aires. Historia organica e politica do Exercito Português. Vol. 8. Coimbra: Imprensa da Universidade, 1919.

Viterbo, Francisco de Sousa. Diccionario Historico e Documental dos Architectos, Engenheiros e Construtores Portugueses ou a serviço de Portugal. Vol. 3. Lisboa: Imprensa Nacional, 1922.

Volkmar Machado, Cirilo. Collecção de Memorias Relativas às Vidas dos Pintores, e Escultores, Architetos, e Gravadores Portugueses, e dos Estrangeiros, Que Estiverão em Portugal. Lisboa: Victorino Rodrigues da Silva, 1823.

Autor(es) do artigo

João Cabeleira

Lab2PT - Universidade do Minho

http://orcid.org/0000-0002-6800-8557

Financiamento

Fundos nacionais através da FCT – Fundação para a Ciência e a Tecnologia, I.P., no âmbito do projeto TechNetEMPIRE | Redes técnico-científicas na formação do ambiente construído no Império português (1647-1871) PTDC/ART-DAQ/31959/2017

DOI

https://doi.org/10.34619/urwr-ptye

Citar este artigo

Cabeleira, João. "José Sanches", in eViterbo. Lisboa: CHAM - Centro de Humanidades, FCSH, Universidade Nova de Lisboa, 2022. (última modificação: 11/07/2024). Consultado a 24 de julho de 2024, em https://eviterbo.fcsh.unl.pt/wiki/Jos%C3%A9_Sanches. DOI: https://doi.org/10.34619/urwr-ptye