José Custódio de Sá e Faria

From eViterbo
Jump to navigation Jump to search


José Custódio de Sá e Faria
Nome completo José Custódio de Sá e Faria
Outras Grafias valor desconhecido
Pai valor desconhecido
Mãe valor desconhecido
Cônjuge valor desconhecido
Filho(s) valor desconhecido
Irmão(s) valor desconhecido
Nascimento valor desconhecido
Morte valor desconhecido
Sexo Masculino
Religião valor desconhecido


Biografia

Dados biográficos

Carreira

José Custódio de Sá e Faria era um engenheiro que também se aplicou ao estudo da Arquitetura.

Em janeiro de 1745 o desembargador João Caetano Torel nomeou-o Superintendente das Reais Obras das Necessidades, com o propósito de desenhar as plantas necessárias para a cerca e jardim do palácio. Também foi encarregado da obra do aqueduto que havia de conduzir a água à dita cerca, "fazer lembrança" de todas as medições" e "desentulhos" e de porções de parede que ficam soterradas.

Em 1749 era ajudante de número de um dos regimentos de ordenança da guarnição da corte e partidista da academia militar das fortificações.

A 21 de junho de 1749 foi nomeado capitão de engenheiros por petição que Viterbo transcreve[1].

Em 1750 fez o mausoléu para as exéquias do rei D. João V na Basílica de Santa Maria Maior em Lisboa.

Anos depois, mudou-se para a América, onde passou a viver e trabalhar. Em 1754 estava no Paraguai. Em 1752 era coronel, em 1764 era coronel da infantaria da Guarnição do Rio de Janeiro. A certo ponto ascendeu a brigadeiro, posto que tinha em 1774 e 1777[2].

Outras informações

Obras

No Arquivo Histórico do Exército, no Rio de Janeiro, constam os seguintes mapas de sua autoria:

Enseada de Maldonado – Enseada de Castilhos Grandes. Autor : Cel. Jozé Custódio de Sá e Faria, 1752. Escala em palmos, rosa dos ventos, papel canson, telado, 26 cm x 37 cm[3].

Planta da Praça e Território da Nova Colónia do Sacramento. Autor: Sgt. Mor José Custódio de Sá e Faria, 1753. Colorido, nanquim, aquarela, tinta colorida, com rosa dos ventos, com legenda, escala em braças, nota explicativa, papel canson, restaurado por Ivan de Sá, em maio de 1997, com moldura, bom estado,  65 cm x 79,5 cm[4].

Planta da Praça Nova da Colônia do Santíssimo Sacramento elevada por Jozé Custódio de Sá, Coronel de Infantaria e Manoel Vieyra Leão, Capitão do Regimento de Artilharia, em o ano de 1753. Colorido, nanquim, tinta colorida, aquarela, com nota  explicativa, com rosa dos ventos, escala em braças, papel canson, telado, 37,5cm x 26,5cm[5].

Exemplo geographico do terreno adjacente à costa que corre, desde  a praça Nova Colónia do Santíssimo Sacramento, the a ilha de Santa Catherina. Autor: Cel. José Custodia de Sá e Faria, 1763. Colorido, nanquim, tinta colorida, aquarela, papel canson, telado, com nota explicativa, com rosa dos ventos, escala em léguas, 141,5cm x 47cm[6].

Planta do Rio da Prata tirada por Jozé Custódio de Sá e Faria, Coronel de Infantaria e Manoel Vieyra Leão, Capitão do Regimento da Artilharia da Guarnição do Rio de Janeiro, que a desenhou em o ano de 1764. Colorida, nanquim, aquarela, tinta colorida, com rosa dos ventos, escala em léguas, papel canson, telado, 36,5 cm x 26,5 cm[7].

Planta da Fortaleza da Barra do Sul na Ilha de Santa Catharina Tira (sic) por Jozé Custódio de Sá. Coronel de Infantaria da Guarnição do Rio de Janeiro e desenhada pelo Manoel Vieyra Leão, capitão da artilharia da mesma guarnição em 1764. Colorido, nanquim, tinta colorida, aquarela, com nota explicativa, com rosa dos ventos, escala em palmos, papel canson telado, 39cm x 28cm[8].

Planta da ilha de Santa Catharina e a costa da terra firme que compreende a mesma ilha tirada por Jozé Custódio de Sá e Faria, Coronel de Infantaria da Guarnição do Rio de Janeiro e desenhada por Manoel Vieyra Leão, Capitão do regimento da Artilharia da mesma guarnição em Janeiro de 1764 Sua Latitude na Vila de N. Sra do Desterro é de 27º.26’.30’’ a variação da agulha é de 10º.45’. Colorido, nanquim, tinta colorida, aquarela, com nota explicativa, com rosa dos ventos, escala em léguas, papel canson telado, 37cm x 26cm[9].

Plantas das Fortalezas da Ponta do Estreito e da Praia de Fora feitas por José Custódio de Sá, Coronel de Infantaria da Guarnição do Rio de Janeiro e desenhadas por Manoel Vieira Leão, Capitão da Artilharia e da mesma guarnição em o não de 1764, colorido, nanquim, tinta colorida, aquarela, com legenda, com rosa dos ventos, escala em palmos, papel canson, 35cm x 24,5cm[10].

Plantas das Fortalezas da Ponta Grossa e da Ilha dos Ratones na Ilha de Santa Catharina tiradas por José Custódio de Sá Coronel de Infantaria da Guarnição do Rio de Janeiro e desenhadas por Manoel Vieira Leão, Capitão da artilharia e da mesma guarnição em 1764. (copia) colorido, nanquim, aquarela, com legenda, escala em palmos, com rosa dos ventos, papel vegetal, 35cm x 24cm[11].

Planta do Forte de N. S. da Conceição em uma pequena ilha Situada na Barra do Sul da Ilha de Santa Catharina / Planta do Forte de São Francisco, na Praia perto do estreito da Ilha de Santa Catarina / Projecto do Coronel José Custódio para o Forte da Praia da Villa do Desterro / Planta do Forte de Santa Anna no Estreito da Ilha de Santa Catarina. D. Miguel de Blasco, Ajudante Engenheiro as tirou e riscou MDCCLXVII (1767), colorido, nanquim, tinta colorida, aquarela, com legenda, com seta norte, escala em braças, papel canson, 50cm x 44,5cm[12].

Planta do Rio Grande de São Pedro levantada em 1779 pelo Brigadeiro Engenheiro Jozé Custódio de Sá. Colorido, nanquim, aquarela, tinta colorida, com legenda, escala em braças, rosa dos ventos, papel canson, telado, 52,5 cm x  35,5 cm[13].

Viagem do Brigadeiro José Custódio de Sá e Faria da Cidade de São Paulo a Praça de N. S. dos Prazeres do Rio Igatimy em 3 de Outubro de 1774 com as pessoas abaixo designadas O tenente de Artilharia Jerônimo da Costa, o tenente de infantaria Josquim José Botelho, o alferes Manuel Rodrigues Lobão, o sargento de artilharia José Pinto da Silva e 22 soldados de artilharia do Rio de Janeiro. Chegaram ao seu destino em 31 de  Janeiro de 1775. Mapa reduzido sob a direção do Conselheiro Homem de Mello, impresso em 1877, monocromático, com nota explicativa, com pontos astronômicos, papel canson telado,97,5cm x 59,5cm[14].

Francisco de Sousa Viterbo faz referência às seguintes obras[15]:

Noticias do estabelecimento da Praia de Nossa Senhora dos Prazeres do Ygatimy, e diario da viagem que desde a cidade de S. Paulo fez áquella Praia por ordem de S. M. o Brigadeiro José Custodio de Sá e Faria no anno de 1774 (Estava na biblioteca do Marquês de Castelo Melhor)

Demonstração e configuração do caminho que da cidade de S. Paulo se dirige para a freguesia de Araraitaguaba do rio Tiete e Paraná até ás sete quedas, e do Igatimy até á praça de Nª Sª dos Prazeres, construida na marge septentrional do mesmo. Feita por ordem de S.M. por J.C. de Sá e Faria, Brigadeiro do exercito em 1777. Desenhada na villa do Rio Grande de S. Pedro do Sul, por Manuel Moniz do Couto Reis (Estava na biblioteca do Marquês de Castelo Melhor)

Planta em aguarela da barra do Rio Grande de S. Pedro, elevada pelos coronéis D. Miguel Ângelo Blasco e José Custódio de Sá e Faria no ano de 1752 (Arquivo Militar do Rio de Janeiro)

Mapa em aguarela do caminho entre a cidade da Assunção do Paraguai até ao Salto Grande do Rio Paraná com parte da demarcação que se fez de todo o Rio Igatimi, e nas cabeceiras do rio Ipanê Quaçu, no ano de 1754 (Arquivo Militar do Rio de Janeiro)

Planta da Fortaleza da ilha de Anhatomirim na ilha de Santa Catarina, desenhadas por Manuel Vieira Leão (Arquivo Militar do Rio de Janeiro)

Notas

  1. Viterbo, Diccionario Histórico e Documental dos Architectos, Engenheiros e Construtores Portugueses ou a serviço de Portugal, Vol III, 1.
  2. Viterbo, Diccionario Histórico e Documental dos Architectos, Engenheiros e Construtores Portugueses ou a serviço de Portugal, Vol III, 3.
  3. Arquivo Histórico do Exército - Brasil (AHEx). Cota: AHE 07.03.1472
  4. Arquivo Histórico do Exército - Brasil (AHEx). Cota: AHE 07.02.1448
  5. Arquivo Histórico do Exército - Brasil (AHEx). Cota: AHE 06.59.1627
  6. Arquivo Histórico do Exército - Brasil (AHEx). Cota: AHE 23.02.1420
  7. Arquivo Histórico do Exército - Brasil (AHEx). Cota: AHE 05.66.1471
  8. Arquivo Histórico do Exército - Brasil (AHEx). Cota: AHE 06.67.1696
  9. Arquivo Histórico do Exército - Brasil (AHEx). Cota: AHE 06.64.1722
  10. Arquivo Histórico do Exército - Brasil (AHEx). Cota: AHE 06.63.1742
  11. Arquivo Histórico do Exército - Brasil (AHEx). Cota: AHE 06.01.3709
  12. Arquivo Histórico do Exército - Brasil (AHEx). Cota: AHE 06.63.1728
  13. Arquivo Histórico do Exército - Brasil (AHEx). Cota: AHE 05.60.1349
  14. Arquivo Histórico do Exército - Brasil (AHEx). Cota: AHE 04.02.3005
  15. apud Viterbo III 1922, 1-3.

Fontes

Arquivo Histórico do Exército - Brasil (AHEx)

Bibliografia

Barreto, Abeillard. Bibliografia Sul-Riograndense. Vol. I, Rio de Janeiro, 1973.

Bento, Cláudio Moreira. A guerra da Restauração do Rio Grande do Sul. Rio de Janeiro: Biblioteca do Exército, 1996.

Bento, Cláudio Moreira. "Brigadeiro José Custódio de Sá Farias Traidor ou injustiçado".

Bueno, Beatriz Piccolotto Siqueira. "Cartografia militar no Brasil do século XVIII. O engenheiro cientista e artista: José Custódio de Sá e Faria e a expedição à Fortaleza do Iguatemi." In História da cartografia militar (século XVIII-XX). coordenação de Maria Helena Dias et al., 21-45. Viana do Castelo: Câmara Municipal, 2005.

Bueno, Beatriz Piccolotto Siqueira. "Do borrão às aguadas: os engenheiros militares e a representação da Capitania de São Paulo." Anais do Museu Paulista: História e Cultura Material. Vol.17 nº2 (Julho/Dezembro 2009).

Derntl, Maria Fernanda. "Método e Arte, criação urbana e organização territorial na capitania de São Paulo, 1765-1811." Tese de Doutoramento, Universidade de São Paulo, 2010.

Golin, Tau. A guerra guaranítica. Passo Fundo/Porto Alegre: Ediupf/Ufrgs, 1998.

Monteiro, Jônathas da Costa Rego. A Dominação Espanhola no Rio Grande do Sul (1763-1777). Rio de Janeiro: IHGB/IGHMB, 1979.

Oliveira, Ana Lúcia Costa. "O PORTAL MERIDIONAL DO BRASIL: Rio Grande, São José do Norte e Pelotas no período colonial (1737 a 1822)." Tese de Doutoramento, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2012.

Rico Bodelón, Óscar. "«¿Qué Fue de José Custodio?». Un Ingeniero Dieciochesco en la frontera de los imperios Iberoamericanos." El Futuro del Pasado 5 (2014): 317-339.

Rocca, Luisa Gertrudis Durán e R. Gutierrez. José Custódio de Sá e Faria: um engenheiro na América além das fronteiras. Buenos Aires: Cedodal, 2020.

Rodrigues, Francisco Javier. O Brigadeiro José Custódio de Sá Farias, de Portugal à América Meridional – uma trajetória.

Sá, Simão Pereira de. História topográfica e bélica da Nova Colônia do Sacramento do Rio da Prata. Porto Alegre: Arcano, 1993.

Viterbo, Francisco de Sousa. Diccionario Histórico e Documental dos Architectos, Engenheiros e Construtores Portugueses ou a serviço de Portugal, Vol III. Lisboa: Tipografia da Academia Real das Ciências, 1922.

Ligações Externas

José Custódio de Sá e Faria In Wikipédia.

José Custódio de Sá e Faria In EURO-ULTRAMARINO.

José Custódio de Sá e Faria In HPIP.

José Custódio de Sá e Faria In Fortalezas.

José Custódio de Sá e Faria In Enciclopédia Itaú Cultural.

https://bdlb.bn.gov.br/acervo/handle/123456789/276350


Autor(es) do artigo

Financiamento

Fundos nacionais através da FCT – Fundação para a Ciência e a Tecnologia, I.P., no âmbito do projeto TechNetEMPIRE | Redes técnico-científicas na formação do ambiente construído no Império português (1647-1871) PTDC/ART-DAQ/31959/2017

DOI

Citar este artigo